Original

Agbook

Original

DIÁCONOS

Um Livro sobre a Prática da Diaconia Batista

Por: Pastor Tiago dos Santos Esteves

VISÃO DIACONAL

Entende-se por VISÃO ou AMPLITUDE DIACONAL toda a Cosmovisão ou totalidade da realidade em que se insere a Diaconia Bíblica. Uma vez que diácono é servo, há necessidade de se estabelecer um limite no serviço diaconal. Já foi dito anteriormente que nem todo serviço estará a cargo do diácono específico. Isso quer dizer que o diácono específico é um tipo de servo e não servo em geral. Servo em grego pode ser doulos=escravo ou diakonos=serviçal de casa. Nada impede que um diácono queira ser um servo do tipo escravo de Jesus Cristo, mas ele não é escravo do pastor, não é escravo da igreja, não é escravo da família, não é escravo da comunidade, não é escravo da sociedade; somente do Senhor Jesus Cristo e até o momento em que o próprio Senhor Jesus quiser. Só o Senhor Jesus Cristo comprou nossas almas ao morrer naquela cruz em nosso lugar. Ainda assim ele nos chama de amigos (João 15. 13-16) e nos transforma em filhos (João 1.12). A visão diaconal trava um paralelo entre a visão cristã e a visão ministerial. Todo cristão exerce uma atividade ministerial durante sua caminhada cristã. Todo cristão é, então, diácono geral. Veremos esta distinção mais claramente adiante quando marcarmos os pontos da Diaconia Geral e os pontos da Diaconia Específica. No entanto, a visão diaconal muitas vezes se confunde com a missão diaconal por estarem muito próximas uma da outra. O que o diácono, o pastor, a igreja entendem como diaconia é a visão diaconal. O que o diácono precisa fazer para cumprir o seu ministério diaconal é a missão diaconal. Eclesiastes 9. 10 diz: “Tudo o que vier às mãos para fazer, faze conforme as tuas forças”. Observe que o indefinido “tudo” vem acompanhado de perto da concessão “conforme as tuas forças”. Há muita coisa que está na esfera de alçada ou nas condições de realização daquele diácono, mas se ele se nega a fazer ou realizar; passa a ser um diácono negligente e, por conseguinte, reprovado por Deus. Por outro lado, há missões complexas e muito distantes da possibilidade da realização de um diácono e, mesmo assim, ele insiste através de dolorosas e frustradas tentativas; não dá certo. Esse diácono também pode ser reprovado. Quer fazer algo sem que esteja na sua alçada; sem que esteja ao seu alcance realizar; sem ter se preparado adequadamente. Ele não é negligente, mas é inepto. Diaconia é algo suave; algo livre; algo simples e algo muito agradável de ser e fazer. Diaconia não é um castigo; uma penitência. Nem mesmo é um trabalho obrigatório. Diaconia é um privilégio; um serviço que parte do coração do servo agradar ao seu Senhor. Não se serve por desespero ao dono do universo. Serve-se a Ele com sorriso nos lábios, com gratidão no coração. Ao final de cada tarefa, a satisfação do dever cumprido. Ao final de cada incumbência, a passagem de comando com a sensação de vitória. Ao final da vida, a entrega ao Pai Celestial das suas ações. No céu, as merecidas recompensas. Não são aquelas recompensas buscadas aqui na terra; são as recompensas prometidas aos cristãos. Ninguém deve buscar recompensas aqui na terra. Jesus promete; Ele dá. Mesmo que seja aqui na terra; se Ele prometeu cem vezes mais, Ele dará cem vezes mais. Se ele prometeu o paraíso; Ele dará a chave da vitória e o ingresso no palácio real. João 14.2.

Terminaremos esta introdução teórica falando do Diácono que vive o DIACONATO e vive a DIACONIA completamente submissos ao Senhor da Glória. Viver o diaconato é exercer o mandato diaconal a que foi submetido ou que ingressou voluntariamente. Viver a Diaconia é manter-se dentro dos padrões de cristão, de oficial bíblico; não indo para a esquerda ou para a direita; indo em linha reta em direção ao autor e consumador da fé. Hebreus 12. 2. Que Deus nos ajude a ver e viver nossos ministérios. Pastores, ministros auxiliares e diáconos unidos no cumprimento da sagrada missão de mostrar Jesus ao mundo. Jesus, nosso modelo, nosso amigo, nosso irmão é também o nosso Salvador e Senhor.

MISSÃO DIACONAL

A missão diaconal confunde-se com a função diaconal. Sua missão precípua é servir. O diácono é sinônimo de serviço; não é sinônimo de trabalho. Diácono não trabalha nem dá trabalho. Diácono serve e, para servir bem, esmera-se no serviço. Há um hino sacro que diz: No Serviço do Meu Rei eu Sou Feliz. Esta frase resume a visão do diácono; e o conteúdo das estrofes deste hino configura muito da missão do diácono. As estrofes dizem que o cristão (nesse caso particular, o diácono) se apresenta no Serviço do Rei Jesus: satisfeito e abençoado, obediente e corajoso, jubiloso e consagrado, venturoso e decidido. As informações continuam no corpo das estrofes: Proclamando a Salvação do Rei Jesus, sabendo sorrir na alegria ou na tristeza, desafiando a todo o mal ao lado do Rei Jesus, gastando tudo no serviço do Rei. Conforme pode ser visto claramente, o diácono se apresenta ao Rei, completamente submisso, pronto a proclamar as verdades santas mesmo em situações de risco; sempre com um sorriso nos lábios; tudo para alegrar o coração do Rei Jesus.

Se tentarmos definir ou reduzir a um determinado assunto a missão diaconal, pelo menos na visão deste autor sacro, teremos muita dificuldade; além da amplidão do conteúdo das estrofes, o estribilho afirma: “minha vida empregarei”, pois quem serve ao meu Bom Rei possui alegria, paz e felicidade. Fica claro que a missão diaconal é a mesma missão do cristão, a missão do pastor, a missão dos demais ministros. Tudo que o diácono faz para servir a Deus segue a este padrão de excelência e relevância.

Imagino um diácono que foi convidado por Deus para o serviço real, serviço diaconal, serviço que ele possa dizer a todos os seus demais colegas de ministério: “Estou fazendo esta obra porque entendo que é um culto a Deus. O texto de João 12. 26b: “... meu Pai o honrará”. Jesus está dizendo que haverá honrarias a quem serve e segue a Jesus. Apenas conhecer e cumprir os mandamentos de Deus; esta é a única exigência de Jesus. A felicidade realmente brota nos lábios desse obreiro; estampa-se no rosto desse serviçal; passa para a família, igreja, pastor e toda a comunidade percebe que servir a Jesus e seguir a Jesus é sinônimo de felicidade eterna.

Diácono de plantão, diácono de púlpito, diácono da visitação, diácono do trânsito, diácono da cozinha, diácono do salão, diácono do gabinete, diácono da manutenção dos elementos da ceia do Senhor, diáconos responsáveis por literatura, chaves, livros, salas, etc. Não importa a incumbência atribuída ao diácono, a honra e a glória são do Senhor Jesus.

Mesmo as mais simples e rotineiras tarefas passam a ser objeto de intensa felicidade para o diácono, pois ele sabe que as está realizando para o Grande Rei, Profeta e Salvador Jesus Cristo.

Conforme foi dito no tópico anterior, a visão diaconal pode se confundir com a missão diaconal porque mesmo aquelas coisas que jamais passariam pela cabeça de um diácono ele estar realizando, ele as recebe como tarefas, incumbências ou função e, se estiver ao seu alcance sente-se feliz em realizá-las. Ao final da empreitada diaconal todos ficam felizes: o pastor, a igreja, o Corpo ou Junta Diaconal, e, principalmente o dono de tudo: o Senhor Jesus Cristo.

O apóstolo Paulo diz em 1 Coríntios 10. 31: “Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para a glória de Deus”. Então, comendo, bebendo ou fazendo qualquer coisa, podemos estar servindo a Deus. Esta ação poderá estar fazendo parte da missão diaconal. Diz ainda em Colossenses 3. 17: “E quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por Ele graças a Deus Pai”. E quando falamos ou fazemos algo que engrandeça ao nosso Deus, faz parte da diaconia bíblica; gera ou específica.

Selos de reconhecimento

Impresso
De R$ 36.5 por:
R$ 32,83

Ebook (PDF)
R$ 9,69

Tema: Vida Cristã, Teologia, Liderança e Ministério Palavras-chave: -, batista, diaconal, diaconia, diácono, prática

Características

Número de páginas: 175
Edição: 1(2017)
Formato: A5 148x210
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.