Agbook

APOLOGIA

DOS DIÁLOGOS DE PLATÃO

Por: ADEILSON NOGUEIRA

Em que relação a Apologia de Platão está à defesa real de Sócrates, não há meios de determinar. Certamente concorda em tom e caráter com a descrição de Xenofonte, que diz na Memorabília que Sócrates poderia ter sido absolvido "se em qualquer grau moderado ele tivesse conciliado em favor dos acusadores", e que nos informa em outra passagem, sobre o testemunho de Hermógenes, amigo de Sócrates, de que não desejava viver; e que um sinal divino recusou permitir que ele preparasse uma defesa, e também que o próprio Sócrates declarou isso desnecessário, com o fundamento de que durante toda a sua vida ele estava se preparando para aquela hora. Pois o discurso respira em todo o espírito de desafio, e o estilo solto e desprovido é uma imitação da "maneira costumeira" na qual Sócrates falou na Ágora e entre as mesas dos cambistas. A alusão no Críton pode, talvez, ser aduzida como uma prova adicional da precisão literal de algumas partes. Mas, em geral, deve ser considerado como o ideal de Sócrates, de acordo com a concepção de Platão sobre ele, aparecendo na maior e mais pública cena de sua vida, e no auge de seu triunfo, quando ele está mais fraco, e ainda seu domínio sobre a humanidade é maior, e sua ironia habitual adquire um novo sentido e uma espécie de tragédia diante da morte.

Resumem-se os fatos de sua vida, e os traços de seu caráter são trazidos como por acidente no curso da defesa: a maneira de conversar, o aparente desejo do arranjo, a ironia implícita, resultam em uma obra de arte perfeita, que é o retrato de Sócrates.

No entanto, alguns dos tópicos podem ter sido realmente utilizados por Sócrates; e a lembrança de suas próprias palavras pode ter tocado nos ouvidos de seu discípulo.

A apologia de Platão pode ser comparada, em geral, com os discursos de Tucídides, nos quais ele encarnou sua concepção do caráter elevado e da política do grande Péricles e que, ao mesmo tempo, fornece um comentário sobre a situação dos assuntos do ponto de vista do historiador. Assim, na Apologia há uma verdade ideal e não literal; muito é dito que não foi dito, e é apenas a visão de Platão da situação. Platão não era, como Xenofonte, um cronista dos fatos. Ele não aparece em nenhum de seus escritos para ter observado com precisão literal. Ele não deve, portanto, ser complementado da Memorabília e Simpósio de Xenofonte, que pertence a uma classe inteiramente diferente de escritores.

A Apologia de Platão não é o relato do que Sócrates disse, mas uma elaborada composição, tanto quanto, de fato, como um dos Diálogos. E talvez possamos até mesmo entrar na fantasia de que a defesa real de Sócrates era muito maior do que a defesa platônica vez que o mestre era maior do que o discípulo. Mas, em todo caso, algumas das palavras usadas por ele devem ter sido lembradas, e alguns dos fatos registrados devem ter realmente ocorrido. É significativo que Platão tenha dito estar presente na defesa, como também diz que esteve ausente na última cena no Fédon. É fantástico supor que ele quis dar o selo de autenticidade a um e não ao outro? Especialmente quando consideramos que essas duas passagens são as únicas em que Platão faz menção de si mesmo. A circunstância de que Platão seria uma das suas garantias para o pagamento da multa que ele propôs tem a aparência de verdade. Mais suspeito é a afirmação de que Sócrates recebeu o primeiro impulso para sua vocação favorita de interrogar o mundo a partir do Oráculo de Delfos, pois ele já devia ser famoso antes de Chaerephon consultar o Oráculo, e a história é de um tipo muito provável que tenha sido inventada. No geral, chegamos à conclusão de que a Apologia é fiel ao caráter de Sócrates, mas não podemos mostrar que nenhuma frase tenha sido falada por ele. Respira o espírito de Sócrates, mas foi lançado de novo no molde de Platão.

Impresso
R$ 50,47

Ebook (PDF)
R$ 20,45

Tema: Ética E Filosofia Moral, Epistemologia, Bem & Mal, Mensagens, Filosofia, Drama Palavras-chave: diÁlogos, filosofia, platÃo, sÓcrates

Características

Número de páginas: 53
Edição: 1(2017)
Formato: A4 210x297
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.



Personalizar acabamento
Para comprar cópias com opções de acabamento diferentes entre si, é necessário adicionar uma versão de cada vez ao carrinho.

Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.