Agbook

CLANDESTINO

MEMÓRIAS POLÍTICAS

Por: EDGARD DE ALMEIDA MARTINS

Clandestino

Memórias Políticas

Autor: Edgard de Almeida Martins

Sinopse:

CLANDESTINO

MEMÓRIAS POLÍTICAS

DE EDGARD DE ALMEIDA MARTINS

ORGANIZAÇÃO

ELIANA FLORIANO DA SILVA THAELMAN CARLOS MACHADO DE ALMEIDA

Desde 1946, filiado ao PCB – Partido Comunista Brasileiro – fez parte do núcleo de organização do I Congresso dos Lavradores de Marília e região. Impedido por militares, que se deslocaram da capital até a região para reprimir os trabalhadores, foi preso, interrogado e torturado por agentes do DOPS – Departamento de Ordem Pública e Social. Quando saiu liderou ao lado de João Camilo Sobrinho e Alípio Lopes a primeira insurreição de camponeses no movimento, que ficou conhecido como o “Levante de Tupã”. Inicia sua vida clandestina usando os nomes de “Matias”, “Cid”, “Milton”, “Miro”, “Gustavo” e outros, organiza as lutas dos camponeses da Guariroba, a campanha Pró-Paz na Alta Araraquarense e as revoltas camponesas na Alta Sorocabana ao lado de outros líderes como Nestor Vera e o médico, Dr. José da Silva Guerra. Atuou com Carlos Marighella e Joaquim Câmara Ferreira no PCB. Participou da reorganização do PC do B em 1962, com Pedro Pomar e José Duarte em Votuporanga, Fernandópolis, Jales e Santa Fé do Sul. Foi chefe de equipe do terceiro e último grupo, que foi à China, desafiando a repressão da ditadura de direita, em 1966. Esteve com Mao Zedong e Chou En Lai dirigentes PCCH e do Exército Vermelho Chinês. De volta ao Brasil e à clandestinidade, participou da luta pela guerrilha em Cáceres, no MT. Era o “cerco da cidade pelo campo”. No ano de 1968, pouco antes da promulgação do AI-5, assinado por Jarbas Passarinho, foi acusado de liderar ações terroristas, comandando a “Gang da Metralhadora” no assalto ao trem pagador e iniciando a “era do crime organizado em São Paulo”. Questionador do “foquismo” de Régis Debray propôs a unidade da oposição armada contrapondo-se a ações em rede. Lutou na direção da Ala Vermelha, uma das principais organizações clandestinas, para que se convertesse em Partido, Leninista, de “novo tipo”. Reagiu a tiros ao ser sequestrado por soldados do Exército e agentes do DOI-CODI em sua casa, ao lado do camarada de lutas Élio Cabral de Souza. Torturado, passou dez meses preso nas celas daquela prisão. Testemunhou torturas e crimes. Resistiu, sobreviveu. Prisioneiro do Alto Comando do Estado Maior do Exército. Voltou ao trabalho.Perseguido e vigiado no trabalho, evitava comprometer companheiros. Acusado por burocratas do partido, que emergiram com o fim da ditadura, ávidos por decisões de cúpula, negando a luta, adotando o comportamento da repressão e as mesmas posturas policialescas dos velhos dirigentes da esquerda, acusando e julgando o militante, que temiam, atacando e negando-lhe o direito básico de defesa. Recompôs-se e na década de 80, foi eleito delegado do PT e MST – das regiões da Alta Paulista e Sorocabana. Foi vice-presidente do PT e de volta a refundação do PC do B, em Tupã. Camponês, operário, trabalhador, companheiro, pai, avô e bisavô, faleceu em 08 de Outubro de 2004, com 75 anos. Sua vida e suas lutas estão relatadas nessas suas memórias, que se confundem com a formação e a história da esquerda no interior de SP. Seu legado: uma história de lutas para quem luta pela vida. Thaelman Carlos 20.09.2012

Ebook (PDF)
R$ 24,30

Tema: Biografia, Ciência Política Palavras-chave: camponeses, codi, doi, luta, revolução, tortura
Para comprar cópias com opções de acabamento diferentes entre si, é necessário adicionar uma versão de cada vez ao carrinho.

Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.