Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

O CAÇADOR E AS TRÊS MENINAS

Por: Laércio Carvalho

###Olhei para um galho e, fixado

embaixo do mesmo, notei um casulo dourado,

salpicado por um pó muito brilhante de pedras

preciosas.Uma crisálida tentava se livrar do mesmo.

Ela tinha um rosto e falava comigo, mas eu não

podia ver seu rosto com nitidez, porque uma nuvem rarefeita de fumaça ofuscava a área em torno do casulo.

Ela tentava se desvencilhar de um líquido pegajoso

que a impedia de uma total mobilidade. O processo

me parecia ser, de certa forma, muito doloroso.

Curiosamente comecei a sentir sensações estranhas,

como se fosse eu ali; amarrado e tentando me mover

com muita dificuldade para me livrar daquele

incômodo da viscosidade. Só então liguei os fatos e

entendi que tudo aquilo era uma espécie de visão da

própria morte.

Aos poucos fui novamente recuperando minha

mobilidade. Eu podia sentir a suave brisa no meu

rosto durante o meu primeiro voo. Eu podia,

estranhamente, enxergar através de olhos que não

eram os meus. Eu via lá embaixo os lindos pés de ipês

floridos, as águas calmas dos pequenos riachos

serpenteando através da campina. Pousamos sobre

um rochedo sobre o qual descia uma grande cascata

de água cristalina. Logo ao lado avistei dezenas de

minúsculas piscinas naturais sobre o colo das

imensas folhas de taioba. Os menores, de tão

cristalinos, podiam ser confundidos, à distância, com

lindos diamantes azuis em forma triangular. Eu senti

o gosto da límpida e gelada água como se fosse

aquela a primeira vez. Eu senti o aroma das pequenas

flores de uma caneleira e me senti atraído pelo cheiro

delicioso do mel colhido e transportado no vai e vem

das abelhas silvestres. No alto as nuvens brancas se

dispunham em forma de leves plumas de algodão

soltas ao vento em contraste com o céu azul. Que

lindo dia para o primeiro voo de uma borboleta! Mas,

o dia vai chegando ao fim e uma tempestade de verão

se aproxima. As asas não eram minhas, mas eu podia

sentir a força do vento sobre elas. O desconforto não

era meu, mas eu podia sentir a dor ao ter as asas

arrancadas na violência de um furacão. Os olhos não

eram meus, mas a escuridão se fez.

Perdido nas profundezas de um abismo sem fim,

eu não podia prever o desfecho de uma estrutura tão

frágil lançada com tamanha violência à própria sorte.

Alguns segundos de um lapso na memória e os

pensamentos começaram a clarear novamente. Não

precisava mais de asas, porque, muito além da

velocidade da luz, os viajores do Universo alcançam a

velocidade do pensamento.

#########

AO POVO DE MARIANA

Que do vale de lágrimas ressurja um novo Rio Doce; caudaloso, límpido, repleto de vida, esperança e alegria. Que os peixes se reproduzam em abundância e as crianças voltem a sorrir. Mas, que, sobretudo, seja feita justiça; com os responsáveis sendo punidos, rigorosamente, por seus crimes.

####

Agradeço a Deus pela concretização de mais esse sonho. Agradeço também aos amigos que, de alguma maneira, contribuíram para que ele se tornasse realidade.

Laércio Carvalho, dezembro, 2.015.

Impresso
R$ 39,18

Ebook (PDF)
R$ 20,34

Características

Número de páginas: 86
Edição: 1(2015)
Formato: A5 148x210
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.