Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

Por que as Bicicletas Tocam Violinos

Por: Sam I See

No seu «Por que as bicicletas tocam violinos», começa a Sam I See com a preocupação nobre que «avista o pedaço de terra...» e que se sente magoada com os descasos do mundo. A essência da Poeta não é dar soluções, ela é por excelência uma Criadora de Arte, portanto, descrever a vida como ela é, eis a função de Sam! E de todos os Criadores! Expor o mundo interrogando! Da corrente poética estica o imagético para se perguntar o que é o amor, como se estivesse «do lado esquerdo da esquina», e dialogar com o fantasma, ainda assim, um interlocutor que ama. E que ama as Leis do algoritmo, essa coisa espantosa que é a sua natureza. A natureza da Matemática! Que explica a Lei da natureza e no entanto não existe. Onde está a Matemática? E se está, qual a sua consistência, a sua forma, etc.? Como se explica o mistério da Matemática, embora tão rigorosa na descrição da Natureza, mas que só existe na nossa mente? Essa é a tarefa dos filósofos e poetas! Compreender! Assim, uma mente poética como a nossa Sam I See, se debate com o coração também, que quer ser livre, mas que se amarra no amor. No fundo, a Humanidade!

Dessa sua poesia, poesia livre, se arcabouça na prosa poética, que é quase toda ela a estrutura que sustenta o livro. De resto, uma prosa poética sublime, que vale a pena ler.

«Águas profundas não são para qualquer um que diz saber nadar»

Pois não! Não é para qualquer um! É preciso saber enfrentar os abismos, as águas profundas, ser livre das amarras conjunturais que definem o nosso tempo, tempo de Falências Morais, onde em particular o Brasil tudo descamba na impunidade (ou quase) e na descrença dos valores da Sociedade, a persistência das ondas nefastas que mergulham e afogam os cadáveres, que, ainda que respirem oxigénio, já “mortos” e bem enterrados nos abismos oceânicos, desde 1500 a Casa Grande a escravizar a Senzala, e sairmos ilesos a essas Tempestades e manter os Valores. É preciso ser Grande de Alma!!! E aos Valores Poéticos, tão caros aos escrevedores de versos! E Sam I See é fundamental, na sua poesia, a entrega da sua alma à musa poética, e longe dessas ondas nefastas que varrem o país!

Sabe-se que a poesia e filosofia têm uma relação de linguagem profunda, como Heidegger propôs, e também de amor-ódio! E como, através da poesia é possível chegar à essência do Humano! Num dos seus tratados, escreveu Heidegger:

«O homem se limita à realidade corrente e passível de ser dominada, mesmo ali onde se decide o que é fundamental. E se ele se decide transformar, se apropriar e assegurar o caráter revelado do ente nos domínios mais variados de sua atividade, ele, contudo, procura as diretivas para tal nos estreitos limites de seus projetos e necessidades correntes.»

Ou seja, a filosofia e a poesia estão ao serviço da linguagem. E é curioso o seguinte poema de Sam I See:

«Às vezes nessa vida o sabor de mel tem gosto de limão».

Embora não pareça, a poeta se arrisca, e bem, na gélida realidade da matemática, dos confins rotativos dos algoritmos, porque se sai bem, que só os bons poetas sabem! E nessas incursões, «Ciclos de possibilidades/Perante a benevolência irônica/do criador de um alvo em especial ∞»

E no entanto, havia sido o empenho de Sam na poesia-filosófica que mais me encantara. Fora a partir dessa realidade que me fizera à “estrada”, digamos assim, e construído esse texto na base da sensibilidade da nossa poeta! E depois, trabalhado e melhorado até chegar a esse que o estão a ler.

E depois, se apraz perguntar, o que é suposto ser lúcido neste mundo que nos coube em azar? Mundo tão nefasto, mundo de descrédito, e tão ferozmente de falência moral? Em especial, no Brasil? Brasil onde viu a poeta construir esse seu «Por que as bicicletas tocam violinos»? E num desabafo contundente, «Confusa ou incerta/em idas e vinda».

E claro, pergunta-se se a poeta quer-se salvar deste redemoinho de insanidades. Procura Sálem e diz que está aqui! Que a salve dos seus ‘eus’!

E a metafísica? O que lhe inquieta, que Deus está de férias? «Ver o milagre sepultado/sem lápide de margaridas»

E canta ao poeta e Mestre Filampos Kanoziro, que eu desconhecia, verdade seja dita, poeta das «Palavras desconstruídas».

E como, à pala da nossa poeta, «Saiu porta fora, sem olhar para trás, apenas carregando a nudez da dor, seguindo...», eu vos deixo com esse livro, livro deveras importante para a nossa caminhada solitária que é a leitura, e aprendermos a vida ao som da poesia de Sam I See.

Finalmente, «Porque as bicicletas tocam violinos», ao Alexandre Herculano vos entrego, retirando-me do palco, deixando a poeta brilhar no seu protagonismo:

"O férreo pé da dor,

E o hino da oração,

Em vez de irado canto,

Me pede íntimo ardor?"

Luís Altério

Engº de Minas e Autor da novela Cidade Bruta

Impresso
R$ 33,00

Ebook (PDF)
R$ 14,42

Características

Número de páginas: 174
Edição: 1(2016)
Formato: Pocket 105x148
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura s/ orelha
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.