Agbook

LEGATUS

NO EDITAL PRAETORIANO, NO DIREITO CIVIL E NAS CONSTITUIÇÕES IMPERIAIS

Por: ADEILSON NOGUEIRA

Se uma tentativa fosse feita para demonstrar a superioridade do método histórico de investigação para os modos de inquérito relativos à Jurisprudência que estão em moda entre nós, nenhum departamento de Direito seria melhor para servir de exemplo do que o de Testamentos ou Legados.

No início de sua história, encontramo-nos na infância do estado social, cercado por concepções que requerem algum esforço de consciência para concretizarem-se na sua forma antiga; enquanto aqui, na outra extremidade de sua linha de progresso, estamos no meio de noções legais que não são mais do que as mesmas concepções disfarçadas pela fraseologia e pelos hábitos de pensamento que pertencem aos tempos modernos e exibindo, portanto, uma dificuldade de outro tipo, a dificuldade de acreditar que as ideias que fazem parte do nosso estoque mental de cada dia podem realmente necessitar de análise e exame.

O crescimento da Lei de Vontades entre esses pontos extremos pode ser rastreado com notável distinção. Foi muito menos interrompido na época do nascimento do feudalismo, do que a história da maioria dos outros ramos do Direito. Na verdade, no que diz respeito a todas as províncias da jurisprudência, o rompimento causado pela divisão entre a história antiga e a história moderna, ou seja, pela dissolução do império romano, tem sido muito exagerado.

A indolência não incluiu muitos escritores para estarem com as dores de procurar fios de conexão enredados e obscurecidos pelas confusões de seis séculos conturbados, enquanto outros inquiridores, que não são naturalmente deficientes em paciência e indústria, foram enganados pelo orgulho ocioso no sistema legal de seu país, e pela consequente falta de vontade de confessar suas obrigações para a jurisprudência de Roma. Mas essas influências desfavoráveis tiveram relativamente pouco efeito na província do direito testamentário.

Os bárbaros eram confessadamente estranhos a qualquer concepção como a de um Testamento. As melhores autoridades concordam que não há nenhum vestígio nessas partes de seus códigos escritos que compreendem os costumes praticados por eles em seus assentos originais e em seus assentamentos subsequentes à beira do Império Romano. Mas logo depois misturaram-se com a população das províncias romanas, eles se apropriaram da jurisprudência imperial da concepção de um Testamento, em primeiro lugar, e depois em toda sua integridade.

A influência da Igreja teve muito a ver com essa rápida assimilação. O poder eclesiástico conseguiu muito cedo os privilégios de custódia e registro de Testamentos que vários dos templos pagãos haviam desfrutado; e até mesmo cedo era quase exclusivamente para legados privados que os fundamentos religiosos devessem suas posses temporais. Daí é que os decretos dos primeiros conselhos provinciais perpetuamente contêm anátemas contra aqueles que negam a santidade. A influência da Igreja certamente foi a principal entre as causas que, pelo reconhecimento universal, impediram essa descontinuidade na história do Direito Testamentário que às vezes se acredita existir na história de outras províncias da Jurisprudência.

A jurisdição sobre uma classe de Testamentos foi delegada aos Tribunais Eclesiásticos, que se aplicaram a eles, embora nem sempre de forma inteligente, os princípios da jurisprudência romana; e, embora nem os Tribunais de Direito Comunitário nem o Tribunal da Chancelaria possuíssem qualquer obrigação positiva de seguir os tribunais eclesiásticos, não podiam escapar da influência potente de um sistema de regras estabelecidas em curso de aplicação pelo lado oposto. A lei de sucessão testamentária à personalidade tornou-se uma forma modificada da dispensa segundo a qual as heranças dos cidadãos romanos eram administradas.

Impresso
R$ 51,36

Ebook (PDF)
R$ 22,60

Tema: Morte E Luto, Direito Consuetudinário, Direito Civil, Família E Relacionamentos, Direito, Didáticos Palavras-chave: civil, direito, heranÇa, legado, testamento

Características

Número de páginas: 44
Edição: 1(2017)
Formato: A4 210x297
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.



Personalizar acabamento
Para comprar cópias com opções de acabamento diferentes entre si, é necessário adicionar uma versão de cada vez ao carrinho.

Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.