Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

AULA PÚBLICA EM INHAMBUPE

CONSCIÊNCIA CIDADÃ NA CONTEMPORANEIDADE

Por: ADEILSON NOGUEIRA

Dentro do movimento operário, as contradições são produzidas e reproduzidas, coisas importantes que muitas vezes se cristalizam em ações, greves, mobilizações, paralisações, etc., que estão fora de controle das organizações burocratizadas.

A recessão ecobnômica devasta fortemente o ramo produtivo, produzindo uma situação que leva à mobilização de grandes grupos de trabalhadores aglutinados cem torno das suas bandeiras por melhoria salarial, entre outras metas.

Seja como for, a luta sindical continua, ano após ano, mesmo quando a intensidade varia de acordo com as condições específicas que surgem.

A mobilização pode ser impulsionada pela revisão contratual, por violações de acordos previamente firmados ou por agressões mais diretas.

Infelizmente, a depender do ramo de atividade, ainda existem limitações que os obrigam a permanecerem isolados sem direção unitária.

Os sindicatos independentes nascem então como uma necessidade real e como expressão constante da luta de classes; luta que força os trabalhadores a valem-se dos sindicatos como uma estratégia geral que se torna uma defesa contra sua crescente situação de exploração, pauperização e repressão do Estado.

A contínua manifestação política dos trabalhadores que podemos

aprecio o

Cumpre destacar que, se houver falhas nas mobilizações de combatividade política; se estas revelarem-se ineficazes e desorganizadas, certamente o aparato repressivo do Estado mostrará sua força e seu controle, isolando os trabalhadores com o uso irrestrito da polícia e das forças armadas.

A estrutura organizacional proposta tendente a evitar tais problemas deverá evitar falhas:

1) organizacionais internas;

2) em aspectos técnico-legais;

3) nas discussões e análises políticas.

Existe uma tendência ascendente e contínua no número de sindicatos incorporados ao sindicalismo independente e ao número de trabalhadores que lutam por suas reivindicações; eles sabem que uma união democrática é o meio pelos qual poderão legitimar seus direitos e ações de resistência entre os patrões e organizar forças para combatê-los.

A luta empreendida por trabalhadores, em geral, obriga-os a confrontar os patrões, a burocracia estatal, a burocracia sindical oficial e até mesmo colegas de trabalho, manipulados na direção oposta ao movimento.

A greve é um recurso que os trabalhadores até agora só usaram em casos extremos. Se analisarmos a greve, encontramos que a explosão de cada uma deles sempre foi a culminação de processos que podem ter sido iniciados por vários fatores: demissão em massa de trabalhadores, violação do contrato coletivo, ignorância

de acordos assinados com empregadores, etc.

A greve é considerada uma arma de luta dos trabalhadores e as armas dos trabalhadores podem ser variadas, mas nenhuma é tão eficiente quanto paralisar a produção.

Para trabalhadores ligados ao movimento sindical existe um desafio que os impele a se desfazer do controle do ferro do Estado: a existência de mecanismos legais e extralegais para prevenir surtos de greves, aplicados em combinação e de forma coordenada pelo Estado e pelos dirigentes dos sindicatos oficiais.

A possibilidade de levar a greve adiante e com sucesso depende de muitos outros fatores: coesão e organização interna dos trabalhadores; solidariedade econômica e política ampla que os grevistas possam receber de outros grupos; a exemplo de aconselhamento jurídico.

A partir do momento em que uma greve irrompe, as brigadas são organizadas e começa a propaganda, que se ramifica através de cidades e lugares próximos aos centros de trabalho, para se espalhar, buscar apoio e resolver despesas. Esse tipo de solidariedade de classe é uma característica que diferencia um movimento sindical independente dos movimentos que possuem uma estrutura sindical burocrática.

Os membros esperam a solução para as exigências impostas pela administração, exclusivamente dos esforços de seus representantes ou líderes.

Diante da necessidade de propagar sua greve, os trabalhadores fazem apelos a manifestações de trabalhadores de outras empresas, mulheres, grupos que se identificam, estudantes com ideologia e grupos de esquerda com diferentes tendências políticas.

Impresso
R$ 32,10

Ebook (PDF)
R$ 11,84

Tema: Administração, Direito, Educação, Direito Educacional E Legislação, Direitos Civis, Discriminação Palavras-chave: aula, cidadania, deveres, direitos, e, pÚblica

Características

Número de páginas: 30
Edição: 1(2018)
Formato: A4 210x297
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.



Personalizar acabamento
Para comprar cópias com opções de acabamento diferentes entre si, é necessário adicionar uma versão de cada vez ao carrinho.

Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.