Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

UM ÚLTIMO BEIJO EM PARIS

POEMAS

Por: MARCOS AVELINO MARTINS

43º livro do autor dos seguintes livros, todos eles publicados no Clube de Autores e na Amazon, em versão impressa e digital:

a)- Poemas:

1. OS OCEANOS ENTRE NÓS

2. PÁSSARO APEDREJADO

3. CABRÁLIA

4. NUNCA TE VI, MAS NUNCA TE ESQUECI

5. SOB O OLHAR DE NETUNO

6. O TEMPO QUE SE FOI DE REPENTE

7. MEMÓRIAS DE UM FUTURO ESQUECIDO

8. ATÉ A ÚLTIMA GOTA DE SANGUE

9. EROTIQUE

10. NÃO ME LEMBREI DE ESQUECER DE VOCÊ

11. ATÉ QUE A ÚLTIMA ESTRELA SE APAGUE

12. EROTIQUE 2

13. A CHUVA QUE A NOITE NÃO VIU

14. A IMENSIDÃO DE SUA AUSÊNCIA

15. SIMÉTRICAS – 200 SONETOS (OU COISA PARECIDA) DE AMOR (OU COISA PARECIDA”)

16. AS VEREDAS ONDE O MEU OLHAR SE PERDEU

17. A MAGIA QUE SE DESFEZ NA NOITE

18. QUAL É O SEGREDO PARA VIVER SEM VOCÊ?

19. OS TRAÇOS DE VOCÊ

20. STRADIVARIUS

21. OS SEGREDOS QUE ESCONDES NO OLHAR

22. ATÉ SECAREM AS ÚLTIMAS LÁGRIMAS

23. EROTIQUE 3

24. OS POEMAS QUE JAMAIS ESCREVI

25. TUA AUSÊNCIA, QUE ME DÓI TANTO

26. OS DRAGÕES QUE NOS SEPARAM

27. O VENTO QUE NA JANELA SOPRAVA

28. EROTIQUE 4

29. A NOITE QUE NÃO TERMINOU NUNCA MAIS

30. AS HORAS QUE FALTAM PARA TE VER

31. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (1ª PARTE)

32. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (2ª PARTE)

33. NO AR RAREFEITO DAS MONTANHAS

34. VOCÊ SE FOI, MAS ESTÁ AQUI

35. O AMOR QUE SE FOI E NÃO VOLTOU

36. OS VÉUS DA NOITE

37. OLYMPUS: LIVRO II - ARES, ARTHEMIS, ATHENA, CHRONOS, HADES, MORPHEUS E POSEIDON

38. MADRUGADAS DE SEDUÇÃO

39. O LUAR QUE EM TEUS OLHOS HABITA

40. OLYMPUS: LIVRO 1 – EROS (3ª PARTE)

41. ESSA SAUDADE QUE NÃO QUER IR EMBORA

b)- Contos e crônicas:

42. QUANDO SUA AUSÊNCIA ERA TUDO QUE HAVIA QUE HAVIA

Alguns trechos:

“Mas depois definho, / Pois minha hipotenusa / Não é a soma dos quadrados / De seus catetos, / Pois não liga para meus sonetos, / Em seus lixos jogados...”

“Invento histórias sobre paraísos arcanos, / Onde deuses brincam de bolinha de gude, / Desvendo tramas sobre amores profanos, / A quem a própria ilusão os ilude!“

“Desse teu infinito olhar, / Onde pulsa para mim um quasar, / E no qual percorri milhares de milhas, / Transbordam maravilhas...”

“Em um sonho, Deus me apareceu, / E seu Espírito por milagre me preencheu, / Então, línguas mortas de repente eu entendia, / E palavras estranhas invadiram minha Poesia!”

“Apaguei o seu telefone de minha agenda, / Vou passar um tempo na Dinamarca, / Quem sabe assim um dia eu aprenda / A secar essa tristeza que meus olhos encharca?”

“Estás imersa em meu sangue / E alimentas meu corpo exangue, / Que de vida é só um simulacro, / E tu, meu cálice de vinho sacro...”

“Descrevo em versos / Controversos / Toda a Poesia desse mundo / A vagar no espaço profundo / Onde reina essa imensa baderna / E ousamos sonhar com a vida eterna”

“Com você fiquei meio desapontado, / Rasguei e joguei no lixo sua resenha, / Não quero mais estar ao seu lado, / Meu lápis mental não mais a desenha!”

“Como podes me afetar tão forte / Por que me percorre esse arrepio / Como pude ter assim tanta sorte / Como teu mar veio aportar em meu rio?”

“Olho no espelho, não vejo ninguém, / Exceto uma sombra do que fui um dia, / A tua ausência não me fez nenhum bem, / Levou para longe o que me restava de Poesia...”

“Será que lerá os meus tristes versos, / Pelos quais uma lágrima brotara / De seus olhos, onde moram Universos / Onde, um dia, a Poesia reinara?”

“E então, de novo você some, / E se esquece até do meu aniversário, / Quando dezenas me ligam, menos você, / Deixando-me numa tristeza sem nome, / Onde o tempo é meu maior adversário, / Meus olhos transbordam, e sei bem porque...”

“Fuzilas-me com esses dois sóis / Que tens / E quase me destróis / Quando não vens / Pois às vezes desapareces / E somes em pleno ar / Sem ouvires minhas preces / Que desse teu olhar / São reféns”

“Amores são assim, traiçoeiros, / Chegam e se vão, ligeiros, / Virando depressa a esquina, / Enquanto o vento bagunça sua casa, / E a chuva escorre de seus olhos, / Deixando rastros pela vida inteira...”

“E pela vida inteira nos dissemos / Que, se nosso amor fosse acabar, / Haveria de ser em Paris, / Sob o luar refletido na Torre Eiffel.”

“Há 100 bilhões de estrelas no céu, / E posso vê-las todas em teu olhar, / Que se estendem a mim como um véu, / Nessa maravilha que me fascina, / E que me faz contigo sonhar, / A navegar pela noite nessa piscina”

“Você é a peça que faltava / Em meu quebra-cabeça / E agora espero até que anoiteça / Para mergulhar nessa sua lava / Que escorre copiosa / Nessa magia poderosa / Da fonte de seu prazer / Até você desfalecer”

“Ah, esse tempo desalmado, / Que nunca encontrou uma companheira, / Vinga-se de cada coração destroçado, / Fazendo-o sofrer pela vida inteira!”

“Você é minha musa, / Difusa, / Que me desparafusa, / Quando me olha confusa, / E devagar tira sua blusa, / Debaixo da qual nada usa, / E depois, docemente me abusa, / E nada recusa...”

“Perguntei à esfinge: “Quem sou eu? / Eu levo balas, mas não morro, / Morro de amor, mas continuo vivo, / Vivo sorrindo, mas triste sempre serei, / Serei eterno, assim que morrer, / Morrer não quero, / Quero apenas viver,”

“O que causou esse estranho tremor, / Se no Brasil não há terremotos? / Será porque de repente chegou o amor / Aguardado em meus sonhos mais remotos?”

“Cada vez mais, há casas / Que um dia foram lares, / Onde havia corpos em brasa, / E moravam todos os luares...”

“Podemos falar sobre séries ou futebol, / Sobre uma nevasca que caiu na Sibéria, / Sobre algum eclipse da Lua ou do Sol, / Mas falar sobre amor é coisa séria!”

”Todas as minhas plantas murcharam, / E a minha orquídea favorita secou, / Meus versos transbordantes minguaram, / E a minha inspiração se acabou!“

“Na última vez em que te vi, / Rasguei meus poemas esparsos, / Amaldiçoei o que senti por ti, / Desamarrei meus cadarços, / Enxuguei minhas garrafas de vinho, / Curti o primeiro porre em anos, / Toquei pela última vez meu pinho, / E enterrei todos os nossos planos...”

“As paredes entre nós são cão imensas, / Que ramais conseguiremos derrubá-las! / As matas ao nosso fedor são tão densas, / Que escudo que nos resta é respeitá-las.”

“Senti / Uma saudade incontrolável, / De teu beijo indomável, / De nosso amor tão raro, / De nossas noites em claro, / Com paixão a nos beijarmos, / Com volúpia a nos amarmos. / Tive tanta vontade de te ver, / Pois como é possível viver / Sem ti?”

“Por todo este semestre, / Serei teu dedicado mestre / No Kama Sutra e suas artes eróticas, / Ensinando-te as posições exóticas / Do prazer sem limites, / A cada vez que me fites”

“Era para ter dado certo, / Aquele romance que você suicidou, / Mas cansei de esperar chover no deserto, / Aquele triste amor terminou...”

“Por isto, você que passa pela minha rua, / E me vê, vasculhando em vão o horizonte, / Não me console, pois a saudade continua, / Gravada para sempre em meu código-fonte!”

“A noite no céu ia alta / Quando uma ema pernalta, / Eufórica e cheia de graça, / Esqueceu-se de que era caça, / E fez com o leão uma piada, / Mas logo foi por ele devorada, / E dela nem uma pena sobrou, / E foi então que a festa acabou!”

“Quando você me quis, / Meu coração ficou por um triz, / Mas eu não a queria, / Pois ainda nada sabia / De paixão ou de amor,”

“E vamos escondendo nosso amor proscrito, / Fazendo de conta que somos desconhecidos, / Mas só nós sabemos desse desejo infinito, / E o silêncio acoberta nossos roucos gemidos...”

“As lágrimas estão sempre ali, à espreita, / Não se esgotaram ao lado do caixão / Que abrigou o corpo de quem nos deixou; / O destino nos legou a tristeza perfeita, / O resto da vida tentando conter a emoção, / Levantando-nos do chão para seguir com o show...”

“A vida nos ilude, / Esse tal Facebook / Não passa de um truque: / A moça linda que tirou tua paz / Postou uma foto de 30 anos atrás,”

“Logo comprou uma cobertura na Vieira Souto, / E um apartamento em Paris, / Uma vez, foi preso, e logo depois solto, / Escapou de outras prisões por um triz!”

“Eu te pedi uma bala de toffee, / E ganhei uma risada espontânea, / Que me inspirou uma linda estrofe / E me gerou uma paixão instantânea...”

“O coração bate cada vez mais fraco, / Cada uma de minhas veias está entupida, / E a cada dia surge um novo buraco / Nessa colcha de retalhos que chamam de vida...”

“Capturei a essência do sonhar / Só para contigo devanear, / E agora acordar não mais quero, / Porque para você não passo de um zero!”

“Vejo essa lágrima que de teus brotou / E me pergunto se precisarás de lupas / Para perceberes que tantas desculpas / Invento porque nosso amor terminou”

“Não fique triste, não há porque, / Depois que cair a última bomba, / Quem hoje de você tanto zomba / Terá virado cinzas como você!”

“Cansei-me desses jogos de paixão, / Tudo o que quero agora é sossego, / Vou ficar quieto na escuridão, / De cabeça para baixo, como um morcego!”

“Mas nada do que eu Lígia mudará isto, / O jeito é eu ir para o Norte, você para o Raul, / Você me expulsou de sua vida como um cisto / Que Clarice entrado na retina de teu olhar azul!”

“Depois que eu partir, / Para não mais voltar, / Saudades irás sentir, / Mas não vás chorar, / Pois assim são nossas vidas, / Entre bailes e batalhas, / Chegadas e partidas, / Flores e navalhas, / Oceanos e portos, / Tristeza e alegria, / Vivos e mortos, / Funk e Poesia, / Assim é este mundo, / Feito de extremos, / E no espaço de um segundo / Amamos e morremos...”

“Aconteceu o que parecia implausível: / Minha paixão ficou sem combustível, / O seu bilhete de amor ficou ilegível, / E me comportei de modo desprezível!”

“Nasceram para serem assim, / Instantâneos e solitários, / E mal nasceram, chegam ao fim, / Sob a maldição dos horários / Que controlam a duração / De amores malfadados, / Que não passam de efêmera paixão, / Soltando destroços por todos os lados...”

“E agora fica te jogando iscas / Que não queres mais morder, / E meu nome de tua agenda riscas / Enquanto uma lágrima insiste em escorrer...”

“Pois uma coisa apenas é certa: / Meu corpo dormirá num jazigo, / Mas estará para sempre contigo / Minha alma, enfim liberta!”

“Pensei que não te esqueceria jamais, / Mas em ti, já quase não penso. / Em meus sonhos, não vives mais, / Desvaneceu-se aquele amor imenso...”

“The darkness exists since the beginning, / Tangible over all the things, / And even when you think you’re winning, / It comes and cuts your wings!”

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 47,42

Ebook (PDF)
R$ 23,57

Tema: Entretenimento, Literatura Nacional, Poesia Palavras-chave: avelino, erotismo, lirismo, marcos, martins, poemas, poesia, romantismo

Características

Número de páginas: 103
Edição: 1(2018)
Formato: A5 148x210
ISBN: 9781720027300
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.