Agbook

Em nome do Senhor

Esta página foi vista 22 vezes desde 11/06/2019

Por: Pio Furtado

O título Em nome do Senhor não diz, desde logo, que o texto é romance policial.

Pio Furtado inicia a narrativa com dois longos parágrafos, pura descrição da personagem sacerdote, com suas impressões pessoais sobre a cidade e sobre as confissões que ouve diariamente.

A história é conduzida por narrador onisciente, tudo sabe e tudo vê, no passado e no presente e, se quisesse, também no futuro. E desde o início presenteia-nos com um rodízio de personagens que frequentam mesmas frases, num estilo muito difícil para um escritor, mas que Pio Furtado logra sucesso. Seus parágrafos são, como regra, longos e isso exige do leitor paciência e atenção, porque a quantidade de informações é como uma cachoeira.

O tema é interessante e desperta a curiosidade: a justiça por mão própria pelo confessor que busca a reparação para as vítimas que choram no confessionário. Lembrei um conto que escrevi há muitos anos, sob o título Oferta Especial, onde os pais de dois jovens, um assassinado e outro sobrevivente de um assalto para roubar tênis, e o que eles fazem por conta própria.

Surge o antagonista, um promotor de justiça, noivo de parente do sacerdote que desconfia do padre como autor dos crimes na paróquia.

No romance policial existem dois segredos de escritura que, não sendo bem-sucedidos, o Autor não logra sucesso: os anticlímaxes, o clímax e o(s) ponto(s) de virada. O anticlímax, como o termo sugere, brinca com o leitor, parece ser o clímax, o momento maior do conflito, mas que é desfeito a seguir; e podem ser vários anticlímaxes. Mas clímax, o momento maior, é só um, e deve ser bem-posto ao final do texto. E Pio Furtado sai-se bem na empreitada.

O ponto de virada, que podem ser vários, mas não muitos; talvez dois ou três; é o pontapé na cadeira para derrubar o leitor. A narrativa está sendo conduzida para uma direção e altera seu rumo. Há um ponto de virada neste livro e não me detenho neste ponto para não subtrair ao leitor o prazer do texto. Poderia dizer algo sobre a verossimilhança, muito presente no romance policial, mas que, sendo esse gênero literário, permite discutir-se sua qualidade ou intensidade. Veremos o que resultará no espírito do leitor ao deparar-se com o ponto de virada nesta obra. Que é, basicamente, o único.

O romance, como narrativa longa, é desafio para o escritor. Romance policial é desafio mais instigante, o Autor está sempre sobre o fio da navalha, um escorregão e põe tudo a perder. Friedrich Dürrenmatt escreveu A promessa com a vontade de criticar o gênero, é o que dizem. O seu personagem-narrador afirma, a certa altura: “Para ser sincero, nuca tive os romances policiais em alta conta e sinto muito que o senhor também os escreva. Perda de tempo. Vocês constroem ações de um jeito lógico, e tudo segue como um jogo de xadrez, aqui o criminoso, aqui a vítima, aqui o cúmplice, aqui o beneficiário; basta que o detetive conheça as regras e refaça os movimentos, logo ele terá posto o criminoso em xeque, ajudado a justiça a triunfar. Essa ficção me deixa furioso.”

EM NOME DO SENHOR é para ser saboreado como o vinho, aos goles, bem acomodado. Pio Furtado sabe escrever. O mais cabe à recepção do leitor.

José Carlos Rolhano Laitano

Cadeira nº 27 da Academia Rio-Grandense de Letras.

www.josecarloslaitano.com.br

Ebook (epub)
R$ 40,00

Tema: Ficção e Romance, Ficção Palavras-chave: do, em, nome, senhor

Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.