Original

Agbook

Original

AMAR É A ARTE DE SURPREENDER

UM ROMANCE QUE TRATA DO AMOR ALTRUÍSTA

Por: EVAN DO CARMO

À IRANETE, POR QUEM VIVO DE VERDADE.

Certo dia, quando eu já não acreditava em felicidade nesta terra, quando eu andava em profundo desalento, andando como que sem rumo ou norte, não sei se foi por obra do acaso ou por obra da sorte predestinada, do quinhão que Deus me dera nesta vida, mas que ainda não achara, que encontrei a mulher que logo se tornou o melhor pedaço de mim, de minha essência e a força que me faltava.

Eu não a reconheci à primeira vista, mas ela, ao contrário, sem bem me conhecer logo percebeu que eu era o amor da vida dela. Ela foi me conquistando aos poucos…. Quando dei por mim ela já estava dentro do meu coração. Foi graças a ela que alcancei o estado de consciência e a plenitude de existência. Graças a ela hoje sou forte, sou capaz de grandes realizações como este livro.

À Iranete, minha esposa, minha querida companheira. Refiro-me sempre à sua pessoa quando quero expor de modo certo, até que ponto pode o amor chegar, quantas barreiras uma pessoa pode vencer ou ultrapassar para chegar a um objetivo com relação a agradar o ser amado.

Para mim, a maior virtude do amor reside na capacidade de

suportar as diferenças de opiniões. Quem ama, a meu ver, não

insiste em mudar o ser amado, aceita suas virtudes e defeitos,

quando se ama verdadeiramente, embora não saiba até que

ponto esta expressão seja adequada, pois para o amor só existe

um nível, uma noção de juízo.

Quem vive um amor é porque avançou para um estado sublime

de tolerância, não se pode dar nome ao que se apresenta nos

nossos dias, sobretudo nas relações maritais, de amor, pelo

simples fato: vemos muitos casais que se suportam pelas

convenções sociais, basta que surjam dificuldades, seja de

origem prática ou sentimental para que venha à tona uma

verdadeira aversão à pessoa que se dizia amar, por quem até se

morreria. Discuto este assunto, para que possa causar alguma

reflexão nas pessoas que vivem juntas por comodismo ou

conformismo.

Acredito no amor, na cumplicidade marital, quando ambos

olham para o mesmo horizonte. É preciso que o tempo mostre o

que muitos fingem não ver, muito menos admitir: conviver com

alguém por vinte anos ou mais e não se tornarem inimigos literais, isso pode ser um bom indício de que essas duas pessoas

no mínimo se respeitam.

Poderíamos trocar o sentido da palavra amor, talvez por

tolerância? Não é este o caso, a semântica talvez, o sentido não.

Sobre aquela pessoa que me é cara, minha afortunada metade,

devo dizer, o que me tem feito crer no amor, isso já por vinte

e sete anos: é o fato de apesar dos meus incontáveis defeitos, ela tem me aguentado e sido sujeita a esse amor por quem ela vive.

Minha querida esposa, devo a ti a minha crença no amor, na

vida e até em Deus. Te amo, acredito que seja isso o que quer

dizer amar alguém, querer sempre o melhor para a pessoa

amada. Devo confessar que não sou o melhor, mas sou o que

sou para te agradar, para te fazer feliz, e para que nunca percas

a fé que tens no amor e na vida.

Evan do Carmo

Quando Evan do Carmo me enviou o seu livro, nada disse de seu teor. Tampouco de seu gênero. De imediato surgiram alguns enigmas: Que labirinto é esse? Do que trata estas emoções? Ao abri-lo percebi que se tratava de um romance e logo veio a vontade de folheá-lo. Afinal, se não grande conhecedor de sua obra, mas insuspeito admirador de sua escrita não titubeei, alvorocei-me a devorar o livro, ou melhor, estrangulá-lo o mais depressa possível, com a sanha de uma esfinge diante do peregrino sem a devida resposta.

De pronto percebi que a estrutura labiríntica criada por Evan do Carmo não teria por cenário o Palácio de Cnossos, mas a cidade do Rio de Janeiro, em um período de pós-guerra bastante significativo. E não traria como personagens principais Perseu e Ariadne, mas homens e mulheres de carne e osso, de memórias e esquecimentos, cujas histórias são construídas em um longo fio de existência, constituídas em lastros de afetos familiares em que a cada descoberta há uma representação sacrificial, não ao monstro minotauro, mas ao próprio existir humano.

A narrativa construída por Evan do Carmo adquire aspecto dramático, embora guarde uma tonalidade sensível de colo maternal. É esta a característica primordial (e principal) exaltada (ou seria pincelada?) neste Labirinto Emocional. As personagens evanianas dão-se-conta de suas próprias existências em uma expericiação diária com suas emoções mais internas e intrínsecas, com suas faltas e carências, com seus sonhos e anseios, em uma transmutação experiencial de-ser-no-mundo vinculados entre si em um indissociável existir de-ser-em-si e de ser-para-si, em uma relação dialógica de Eu-Isso e Eu-Tu, tendo o amor por essência e a angústia por contingência.

Os meandros vivenciados por cada personagem, seja em grandes feitos ou em gestos simples e contenciosos, possuem motivações a mais para ler o livro. Pois ler o Labirinto Emocional, de Evan do Carmo, é um reviver constante. Uma experiência afetiva ininterrupta. Como se estivéssemos percorrendo os labirintos de Creta, e, diante do grande monstro de Minos/Vida nos sentíssemos como se fossemos Teseu/Walter sem o fio condutor de sua amada Ariadne/Beatriz. Cada passo dado é um salto ao inesperado. Um se lançar ao vazio do existir tão bem conhecido e não menos desesperadamente negado.

Já no primeiro capítulo fui apresentado a um eu-lírico que me dizia a que veio. Com extremo cuidado ele tece o seu longo fio de Ariadne e aponta a saída, quando diz: “Não sou literato, na verdade nem gosto dos literatos, eles têm maldades disfarçadas, são cruéis ao extremo e são manipulados por um espírito egoísta e arrogante, acham que sempre têm a razão, ou que sempre têm a melhor opção ou saída para qualquer eventualidade, que sabem explicar tudo e dominar qualquer assunto −, sobretudo quando se trata de sentimentos envolvendo as relações humanas.”

Os temas fundamentais (e recorrentes) tratados por Evan do Carmo, em seu Labirinto Emocional, é o amor e a solidão. O vazio e a loucura. Dor e a saudade. Resiliência e obstinação. Empatia e alteridade. Melancolia e esperança. A cada entrelaçar de vida (e de emoções) se percebe uma ‘silenciosa abertura’ ao que Frayze-Pereira entende como ‘ao que não é nós e que em nós se faz dizer.’

Embora não apresente um olhar mais aprofundado das coisas, dos lugares e das pessoas, Evan do Carmo indica/sugere os conteúdos mais implícito de suas personagens, o que nos garante um aprofundar de nossas próprias percepções emocionais ante os atos comportamentais das personagens. Permitindo-nos uma construção pessoal a partir de nossa singular experiência em interação com o mundo. Estabelecendo assim uma analogia com nosso próprio existir, em um fio condutor que nos leva além-labirinto, nos impulsionando a prosseguir a vida apesar das circunstâncias traumáticas e de nossas lutas internas, compreendendo que “sempre depois de uma tempestade, depois de uma noite escura de trevas profundas é inevitável que nasça o sol da esperança, e este quando vem pinta no horizonte o quadro mais belo, seus raios multicores são pincéis a colorir nosso amanhã e, neste estado de regozijo celeste não só enxergamos o arco-íris, mas também misturamos as suas cores e as transformamos em uma aquarela de luz...”

Portanto, é inequívoco o nosso encontro (entranhamento) e desencontro (estranhamento) com o eu-lírico/Evan. Sua percepção e sensibilidade não cabem ao texto “Já por algum tempo eu convivo com uma vontade imensa de homenagear um amigo muito querido, mas era só vontade, então aos poucos as coisas foram se encaminhando para este meu livro”. Sua narrativa transborda ao nosso raso olhar. “A vida dele pode ser considerada um drama triste para alguns, uma história comum e corriqueira para outros, mas para mim, humilde e necessária”. Isto nos encanta, pois enriquece nossa leitura e nos dá argumentos para lê-lo mais e mais. Prova-nos que a entrega do autor ao texto foi verdadeira.

O Labirinto Emocional de Evan do Carmo nos faz perceber (por instinto ou por vivência) que, em alguns momentos de nossa vida devemos nos guiar, de imediato, para o lado de fora dos nossos intransponíveis labirintos (dores, angústias, solidão ou vazio), mas, tal qual Walter, não sabemos como fazê-lo. O novelo de Ariadne nos foge às mãos. É curto demais, como curta foi a vida de Walter Junior diante do grande monstro devorador (guerra) e longo o desespero de seu pai por encontra-lo, levando-o ao desespero, ao desejo de não-existir, a se tornar “um vulto (...) um homem sem cor, sem carne, só osso e desespero, que causava medo e compaixão.”

Adentrar na alma de cada personagem (Walter, Beatriz, Walter Junior, Armando, Paulo, Rose, Felipe, Isabel, Ruth, Ricardo, Seu Antônio, Dona Francisca, Jorge Figueira e Cícero, passando por Oliveira Gomes) nos traz a nítida sensação de um querer a mais, de uma angústia tão familiar que nos impulsiona ao segundo passo, ainda que este nos leve a lugar algum, ou, por circunstância de vida e escolha pessoal, nos leve a um vazio que nos abocanha intensa, intrínseca e visceral. Fazendo-nos a andar “dias e noites buscando abrigo e consolo no coração dos amigos, afogando” as nossas “mágoas em copos de desilusão”, tornando-nos “um ébrio, um louco sem norte e sem direção”. Ainda que saibamos que viver é preencher o vazio que só o existir contém.

Compreender os meandros (com suas sombras e arquétipos) deste Labirinto Emocional descrito por Evan, é tarefa para poucos “Não consigo a liberdade do espírito, quisera eu voar livre dos pensamentos que me cercam por todos os lados da consciência, quem me dera poder fugir deste mar de sombras, que me assombra” nos leva, sintomática e imperdoavelmente, a adentrar a alma de Walter, não tentando desvelar os seus labirintos/segredos mais profusos (e confusos), mas a vivê-los em toda a sua intensidade.

É esta a sensação descrita em todo o livro. Como se sentíssemos parte desse labirinto, mas que isso, como se adentrássemos nele e víssemos o grande Minos a construir os entraves (e enrosco) que todo labirinto tem. Como se quiséssemos estar no labirinto, enfrentar o monstro de Minos (solidão voraz) com a intrepidez de Teseu, embora nos soubéssemos Walter, a caminho de um bar qualquer, em busca de nossas sete garrafas e sete copos de um bálsamo Rio/Cretano.

Percorrer este Labirinto Emocional nos leva a oferecer, como Ariadne/Beatriz, nosso fio de existir-existindo em um pensar constante, pois “pensamento é um dom divino e o nosso bem maior, só nosso. Não há tesouro que se compare ao exercício mental e não há lei e nem território que o proíba. Ele é livre e habita em um universo sem fronteiras. Embora tenha dono, quando ele nos deixa, quando sai da esfera sensível, quando o lançamos no espaço, este filho pródigo rebelde não volta mais para a casa do pai”.

Assim, entranhar o intricado percurso deste Labirinto Emocional nos humaniza, voluntaria e corajosamente, nos fortalece a enfrentar nossos obstáculos (ainda que pareçam intransponíveis e nos queria devorar a todo o momento). Nisto reside a criatividade de Evan do Carmo. O que torna a sua narrativa singular e bela. Oferece-nos o fio para sairmos dos internos corredores, mesmo sabendo que, “Quando pensamos que pegamos a estrada certa que nos leva ao sonho, ao ideal, ao objetivo, à felicidade prevista, sentamos e até tiramos um cochilo, então vem alguém e nos acorda para o desembarque, para descermos na próxima parada”.

Portanto, assim como o oráculo em Atenas predisse à Teseu sua vitória contra o monstro do labirinto, pelo amor de Ariadne, Evan do Carmo nos mostra o quão forte é o amor de Beatriz por Walter. O fio dourado que o conduz para fora de sua Creta/Angústia/Dor. Para as paredes de tijolos sempre a mostras de Walter, Beatriz se faz fio, prumo e reboco. E com o tempo, que “é mestre em assuntos do coração, em sentimento mal-entendido”, entendemos que “os sentimentos não envelhecem, amadurecem”, pois “tem a dieta certa para engordar ou emagrecer estes vermes que nos alimentam e que nos devoram”.

Com isso, percebemos que Ariadne/Beatriz tudo faz por seu amado Teseu/Walter, contudo, o grande rei Minos/Vida o conduz, de igual modo, ao inevitável confronto com o seu monstro voraz (vício, insegurança, medo, tristeza, solidão) que a todo instante tenta devorá-lo, o levando a crer que “é assim com os loucos da noite, não dormem nem mesmo quando estão com sono”.

Como se fosse tarefa fácil o viver. Já que “No coração de um apaixonado não há lugar para consciência ou razão, tudo é sangue, instinto, força e domínio brutal”. Tampouco o morrer o é. Morre-se a cada fôlego. Não por menos enlouquece o homem em seu existir de vida sem ao menos ter visto sua tarefa de ser exitosa. Só o Minotauro tem fome insaciável. E nem sempre temos Ariadne (Ruth, Beatriz, Lurdinha) a nos oferecer o seu fio de amor. Sua valiosa presença. Sua força para enfrentarmos as traiçoeiras armadilhas de nosso labirinto emocional.

Só há uma forma para conhecer o labirinto construído por Evan. Adentrando-o sem medo ou reservas. Eu o fiz. Aceitei o desafio e naveguei os mistérios do Egeu e aportei em Creta/Rio, em um período de pós-guerra muito significativo. O Minotauro/guerra exigiu seu sacrifício e inúmeros Walter Junior sucumbiram diante do grande e tenebroso monstro metálico. É assim que Evan do Carmo nos convida a adentrar em seu Labirinto Emocional, ou melhor, nos intenciona a uma descoberta a cada passo dado, ainda que haja monstros assustadores prontos a nos devorar.

Uma vez dentro do labirinto Evaniano, o leitor é conduzido, imediata e ininterruptamente à auto/reflexão. Já não é o mesmo que entrou. Poucos passos/capítulos e já é sondado (implicitamente) a descobrir saídas, a inventar enfrentamentos, a construir soluções, a se preparar (olhos e coração) para o que vem a seguir. A assumir uma postura de acolhimento existencial que envolve múltiplas possibilidades. A nos colocarmos diante dos nossos monstros particulares em posição de flutuante atenção e aguardo.

Evan do Carmo dá a devida importância à temporalidade do existir-existindo. Sua relação com as personagens é muito significativa. É explicito esta carnalidade do autor com sua obra. Neste contexto, logicidade e cronologia se confluem interpretativamente em uma construção narrativa analítica bastante singular, cabendo-nos, seus leitores, uma consubstanciação de existir entre fatos, pessoas e cenários descritos. Possibilitando-nos uma experiência reflexiva e compartilhada com os próprios atores da trama.

Desta forma, como bem enumera o autor: “quanto a mim respiro e compartilho com os meus queridos, minha função na existência e divido-a em partes distintas: como homem, como pai e, sobretudo como irmão.” Assim, concluindo esta obra evaniana, confesso que o livro trouxe a mim uma experiência labiríntica única, da qual sei (por recorrente experiência) o enredo e o destino em cujo espaço teço (em obediência ou teimosia) o fio do novelo de minha própria existência.

Com isso, resta-me então, recomendar o livro e instar a quem quer que seja, a entrar em seus labirintos e, feito Teseu/Walter enfrentar os mais ferozes minotauros tendo ao coração tão e somente o amor e a esperança e às mãos, o tênue e frágil fio de Ariadne/Beatriz.

Boa leitura!

Alufa-Licuta Oxoronga

Selos de reconhecimento

Impresso
De R$ 59.92 por:
R$ 55,37

Ebook (PDF)
R$ 33,37

Tema: Romance, Clássicos, Ficção e Romance, Ficção, Drama Palavras-chave: amo, atitude, romance, vida

Características

Número de páginas: 212
Edição: 1(2019)
Formato: A5 148x210
ISBN: 978-16-707-6572-7
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Polen

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.