Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

A distância de um beijo

Poemas do pratinha 13

Por: Fábio José Vieira

Os poetas são os agentes que manifestam a poesia, tra-zendo-a da imaterialidade para o mundo. Usam da palavra escrita ou falada, corporificando-a. Cada um deles tem o seu rítmo e seu universo próprio. Por mais que sigam cânones, ou não, é humanamente impossível que existam dois poetas iguais. Como as impressões digitais, que são personalíssimas, se individualizam e conquistam assim sua marca registrada, que é o dom pessoal e intransferível, aliado à inspiração e à consequente imaginação que a expande.

Fábio José Vieira tem o seu patamar poético definido, o que é bem melhor para que permaneça na zona de conforto do universo onde se familiariza e reina. Seus motes são a figura feminina endeusada e ao mesmo tempo desejada. Somam-se a esta personagem os seus atributos, recebendo todas as loas possíveis que andam a reconhecer conceitos idealizados na sua poesia em torno desta musa, que, nas sucessivas edições, desde o primeiro livro “A Magia do Amor”, esteve úbíqua a todos os relatos.

Para o poeta, essa divina mulher é vista como uma menina moça, não que seja no sentido de exigir uma tenra idade, mas isso parece ser a metáfora que simboliza o ineditismo que ele espera do amor que a ele chega. Fábio Vieira, cog-nominado “Pratinha”, está no interior de Minas Gerais, Estado que nos deu Rubem Braga, com suas crônicas marcantes de uma época. Não sabemos que identificação objetiva o Pratinha possa ter com o citado cânone. Mas podemos sentir, atraves da leitura de todos os seus livros que editamos, também, tecnicamente um cronista, porém mais calcado no amor. Em suas crônicas planta o lirismo imagético, transformando-as num ambiente erótico e poé-tico.

Essa utilização da prosa para cantar o seu amor é bastante criativa e, de certa forma inovadora, não que outros já não tenham entrado no mesmo rumo, mas porque o Pratinha surgiu com esta visão idealizada e idealizante de, digamos, assim, salmodiar à sua preciosa musa. Esta, por sua vez, não traz surpresa, é sempre bela, linda, formosa, beldade e o poeta parece sonhar em pesquisar adjetivos em todos os compêndios possíveis para honrá-la e dignificá-la acima de tudo. Ele quer beijos e muitos beijos, abraços e mais a-braços, carinhos, que precisa sempre repetir para ser feliz e ainda com a preocupação de fazer feliz a sua amada. Ela, misteriosa, nada responde objetivamente e parece não esboçar sequer uma atitude. Para construi-la, ele precisa contar para ela o seu amor, e o que é que eles fazem quando se amam. É possível que o leitor veja este enredo como platônico com arroubos de prazer material solitário.

Vejo neste autor um cronista do amor dentro de um rea-lismo fantástico e me vem à lembrança o universo sui gêneris retratado no livro “Pedro Páramo”, de Juan Hulfo, onde tudo acontece sem acontecer, ou acontecendo somente na sua visão idealizadora.

Já mencionei que o Pratinha, como poeta, sugere um gran-de segredo, que esconde e ao mesmo tempo nos conduz a pensar na existência desse segredo. Por vezes, apesar dos inúmeros contatos com este poeta, durante as edições dos seus livros e das provas cabais de que existe, me pergunto se ele é real. Mas, reportando-me ao enredo do Pedro Pâra-mo, quem sabe se Fábio José Vieira não está num universo paralelo, mandando suas impressões cósmicas para alimentar sonhos e fantasias de outrens.

Ele não surpreende muito em enredos, porque é mais sim-bolista do que prático e nisto reside a magia da sua obra. Porém, instiga a gente a pensar que há coisas entre o céu e a terra que a nossa vã filosofia não entende, como diz o provérbio secular. Se existem essas tais coisas invisíveis, podem crer que o Pratinha anda no meio delas. Quem sabe se não é o seu modo de controlar o seu amor para nunca sair dos eixos? E com isso sublimar-se como humano acima dos sentidos comuns do povo.

Pelo sim ou pelo não, nada posso confirmar. Espero que os leitores descubram o que já intuo, mas não tenho certeza. Preciso que me digam se Pratinha existe mesmo. leiam os livros dele e me contem.

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 46,13

Ebook (PDF)
R$ 27,88

Tema: Literatura Nacional, Poesia Palavras-chave: beijo, distância, poemas, poeta, pratinha

Características

Número de páginas: 136
Edição: 1(2019)
Formato: A5 148x210
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Couche 90g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.