Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

SEMENTES DO ISLÃ

Por: ADEILSON NOGUEIRA

A fuga de Maomé de Meca para Medina ocorreu em 20 de junho de 622 e foi chamada de hégira, ou a partida do profeta. Esse evento marca o início da era Maometana, que é chamada a partir da Hégira. De acordo com cálculos, foi fixada na sexta-feira, 16 de julho, a data dos maometanos, apesar de astrônomos e alguns historiadores a designarem para o dia anterior. Embora se refira principalmente à fuga de Maomé, o termo é aplicado também à emigração para Medina, antes da captura de Meca (630) dos discípulos de Maomé, que a partir de então foram conhecidos como Mohajerins - Emigrantes ou Refugiados – o que se tornou um título de honra.

Herdeiro da família de Hashem e da tribo de Koreish, a raça mais nobre da Arábia, e dos guardiões do antigo templo e ídolos da Kaaba, Maomé nasceu em Meca, em 20 de agosto de 570 d.C. Ele adquiriu riqueza e influência por seu casamento com Kadijah, uma viúva rica, mas, por seus quarenta anos, anunciando-se como apóstolo de Deus, enviado para extirpar a idolatria e restaurar a verdadeira fé dos profetas Abraão, Moisés e Jesus, ele e seus convertidos foram expostos à contusão e perseguição.

A pessoa de Maomé é minuciosamente descrita por escritores árabes. Ele era de estatura média, tinha uma cabeça grande, barba espessa, olhos negros, nariz adunco, boca larga, pescoço grosso, cabelos esvoaçantes. Eles também nos dizem que o que foi chamado de selo de seu apostolado, uma toupeira peluda entre os ombros, do tamanho de um ovo de pombo, desapareceu quando ele morreu. Seu desaparecimento parece ter convencido aqueles que antes não acreditavam que ele estava realmente morto. Seu companheiro íntimo Abu Horaira disse que nunca viu um homem mais bonito que o profeta. Ele foi tão reverenciado por seus discípulos que eles juntaram sua saliva e a engoliram.

Os mesmos escritores enaltecem Maomé como um homem de hábitos finos e uma memória forte, de poucas palavras, de um aspecto alegre, afável e complacente em seu comportamento. Eles também celebram sua justiça, clemência, generosidade, modéstia, abstinência e humildade. Como exemplo da última virtude, eles nos dizem que consertou suas próprias roupas e sapatos.

Impresso
R$ 45,10

Ebook (epub)
R$ 22,60

Tema: Educação, Geografia E Historia, Religião, Antigo, Civilização, Middle East Palavras-chave: alcorão, islamismo, maomé, religião

Características

Número de páginas: 68
Edição: 1(2020)
Formato: A4 210x297
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.



Personalizar acabamento
Para comprar cópias com opções de acabamento diferentes entre si, é necessário adicionar uma versão de cada vez ao carrinho.

Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.