Agbook

A CASA DE CONSTANTINO

Por: ADEILSON NOGUEIRA

De Constantino a Justiniano, a história da cidade pode ser rapidamente percorrida, pois nenhum grande construtor se colocou entre eles para rivalizar com seu trabalho. Foi em 11 de maio de 330 d.C. que a cidade de Constantino foi dedicada e recebeu o nome de Nova ou Segunda Roma. Trono no Hipódromo, sempre para ser o centro da vida bizantina, Constantino deu graças a Deus pelo nascimento desta bela cidade, a filha (assim escreveu S. Agostinho), por assim dizer, da própria Roma. Grandeza, riqueza, dignidade, ele poderia dar à sua nova cidade: mas antes de morrer, era evidente que ele não podia legar a ela um legado de paz.

Há mais de dois mil e quinhentos e cinquenta anos, uma pequena frota de galés labutava dolorosamente contra a corrente até o estreito longo do Helesponto, remou através do largo Propontis e ancorou-se nas águas lisas da primeira enseada que corta o rio. Costa europeia do Bósforo. Lá, um longo riacho em forma de meia-lua, que depois passou a ser conhecido como o Chifre de Ouro, atinge o interior por sete milhas, formando um remanso silencioso do fluxo rápido que passa do lado de fora. No promontório, cercado por essa enseada e pelo mar aberto, algumas centenas de colonos desembarcaram e se apressaram em se proteger das tribos selvagens do interior, fazendo uma espécie de barreira contra o solo, da praia à praia.

Os colonos eram gregos da raça dórica, nativos do próspero estado portuário de Megara, a mais empreendedora de todas as cidades de Hellas no tempo de expansão colonial e comercial que estava então no auge. Onde quer que uma proa grega tenha entrado em águas desconhecidas, marinheiros megalíacos foram logo encontrados em seu rastro. Uma banda desses comerciantes aventureiros empurrou longe para o Ocidente para plantar colônias na Sicília, mas a maior parte da atenção de Megara foi voltada para o nascer do sol, em direção à entrada envolta em névoa do Mar Negro e das terras fabulosas que ficavam além. Lá, como lendas contadas, era para ser encontrado o reino do Velocino de Ouro, o Eldorado do mundo antigo, onde reis de riqueza incontável reinavam sobre as tribos de Cólquida; ali moravam, às margens do rio Thermodon, as amazonas, as mulheres guerreiras que outrora atormentaram a Grécia por suas incursões; ali também se encontrava, se fosse possível lutar até a costa norte, a terra dos hiperbóreos, povo abençoado que morava atrás do norte.

Impresso
R$ 60,35

Ebook (epub)
R$ 22,60

Tema: Realeza, Medieval, Antigo, Geografia E Historia, Educação, Biografia Palavras-chave: bizantino, história, império

Características

Número de páginas: 291
Edição: 2(2020)
Formato: A4 210x297
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.



Personalizar acabamento
Para comprar cópias com opções de acabamento diferentes entre si, é necessário adicionar uma versão de cada vez ao carrinho.

Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.