Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

HISTÓRIA DA POESIA

Por: ADEILSON NOGUEIRA

No silêncio dos lábios teus,

Sob o sorriso do céu suave de junho,

Tão pálido, você nos disse tristíssimo adeus...

Só ficaram as doces lembranças do que vivemos juntos.

Tua jornada foi encerrada,

E as horas que poderíamos nos demorar,

Estas nos foram tiradas,

Restaram, como agora, lágrimas a derramar...

Adeilson Nogueira

“Meu túmulo deve estar em um local onde o vento norte possa espalhar rosas sobre ele”.

Omar Khayyam

O pensamento imaginativo do poeta errava nas asas de doces fantasias que embelezavam as ilusões douradas de um amor ilustre.

Na verdade, os poetas se elevam muito acima de todos os outros nessa energia de sentimento, impetuosa e irresistível, que penetra, aquece e move a própria alma. Eles revelam suas ansiedades, bem como suas esperanças; eles pintam com a verdade e amam a condição real da raça humana, com suas tristezas e consolos, suas esperanças e medos, seu amor e seu ódio.

O termo Poesia é aplicado a todas as composições em que os homens dotados de gênio expressam suas várias emoções, e que une a harmonia com a riqueza de expressão. O personagem de um povo é sempre comunicado à sua poesia, que está sempre de acordo com as qualidades mais poderosamente desenvolvidas entre as nações pelas quais é cultivada.

O amor e Apolo levaram Ovídio ao triunfo, e ele invocou os louros desse amor soberbo para dar-lhe os templos.

Quase todos os poetas começaram cantando seus amores, mas nem todos os poetas alcançaram a fama expondo os vários afetos com os quais o amor raciocinou neles.

Dante seria desconhecido por seus versos eróticos, se não tivesse participação no poema sagrado; Petrarca seria desconhecido em sentido contrário por seu poema África, se o amor de Laura não fosse sua inspiração para a canção. Ovídio foi aclamado por seus contemporâneos e pela posteridade como cantor do amor mais original, e Roma o saudou por seu poeta.

Roma, tendo atingido o ápice de sua grandeza, ainda não tinha uma literatura própria. Ela havia subjugado a Grécia, a Grécia tinha as letras romanas como seus súditos. Virgílio, que morreu jovem, lisonjeara a ambição dos romanos cantando sua origem gloriosa, mas era o poeta do Lácio, e não da cidade dos césares.

Horácio foi o poeta da corte e da filosofia epicurea. Nenhum romano tentou colocar em cena os fatos trágicos do país ou os costumes do mesmo. A história grega administrava argumentos ao coturno romano, e as comédias testemunhadas pelos governantes do mundo eram traduções gregas ou apresentações dos costumes gregos. As letras romanas não deveriam ser coloridas com um matiz nacional; imitadores dos gregos, eles eram mais frequentemente pagos para repetir no idioma romano o que havia sido ditado muitos anos antes na língua helênica. Ovídio primeiro concebeu o pensamento de dar nacionalidade aos seus escritos, e começou vestindo seu amor no estilo romano. Dotado de uma imaginação fértil, de uma faculdade poética que poucos possuíam.

No seu retorno a Goa, Camões naufragou, e de todas as suas poucas posses, ele conseguiu apenas salvar o manuscrito dos Lusíadas, que segurava em uma das mãos acima da água, enquanto nadava até a costa. Logo depois de chegar a Goa, foi jogado na prisão sob uma acusação injusta, e sofreu por muito tempo por lá. Finalmente liberado, ele seguiu para seu país natal, o qual alcançou após uma ausência de dezesseis anos.

Portugal foi nesta época devastado pela praga. Na tristeza e alarme universal, o poeta e sua grande obra foram igualmente negligenciados. O rei finalmente consentiu aceitar a dedicatória deste poema; o feito deu para o autor o miserável retorno de uma pensão, equivalente hoje a 125 reais.

Camões, que tinha suportado nobremente seus próprios infortúnios, afundado nos de seu país, foi atacado por uma febre violenta e morreu em um hospital público sem uma mortalha para cobrir seus restos mortais.

Impresso
R$ 62,90

Ebook (epub)
R$ 33,37

Tema: Educação, Poesia, Geografia E Historia, Antigo, Civilização, Medieval Palavras-chave: literatura, poesia

Características

Número de páginas: 156
Edição: 1(2020)
Formato: A4 210x297
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.



Personalizar acabamento
Para comprar cópias com opções de acabamento diferentes entre si, é necessário adicionar uma versão de cada vez ao carrinho.

Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.