Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

SEREIAS, A HISTÓRIA DE UM MITO

Por: ADEILSON NOGUEIRA

Hesíodo descreveu o canto das sereias como florescendo com flores, e diz que sua voz acalmava os ventos.

Seus nomes seriam Aglaiopheme ('voz clara') e Thelxiepeia ('voz mágica').

Apolodoro diz que elas eram as filhas do deus-rio Aquelois e da musa Terpsícore. Alguns disseram que surgiram do sangue que fugiu dele quando seu chifre foi arrancado por Hércules.

Sófocles as chama de filhas de Phorcys.

Ao contrário do processo usual, a parte travessa do caráter das sereias ou sirenes foi, com o passar do tempo, deixado de fora, e elas foram consideradas seres puramente musicais, com vozes fascinantes. Daí Platão, em sua 'República', coloca uma delas em cada lado das oito esferas celestes, onde suas vozes formam o que é chamado de música das esferas; e quando os lacedemônios invadiram a Ática, Dionísio, é dito, apareceu em um sonho para seu general, ordenando que ele pagasse todas as honras fúnebres à nova sereia, que foi imediatamente entendido como Sófocles, que havia morrido.

Eventualmente, no entanto, os artistas seguraram as sirenes e forneceram-lhes penas, pés, asas e caudas de pássaros.

A maioria das autoridades é de opinião de que elas eram três. “Fulgentius e Servius afirmam”, diz Boccaccio, “que as sereias eram três; uma delas cantando sozinha, outra com a lira, e uma terceira tocando flauta. “Leôncio, no entanto”, continua ele, “diz que eram quatro, e que a quarta cantava para o timbrel”. Em outro lugar, ele as traz até cinco.

As sirenes, então, são mais particularmente tomadas por três irmãs, monstruosas em figura, mas encantadoras no rosto e na voz, que costumava ser ouvida em algum lugar perto da costa de Nápoles, e com sedutoras canções atraíam os viajantes à destruição. Diz-se que algumas vítimas pereceram por falta de comida, sofrendo e morrendo longe, incapazes de fazer nada além de ouvir; outros, que as três irmãs os devoraram; outros, que pularam de seus navios. Todo o lugar estava espalhado com ossos, e brilhava ao longe com a brancura, como penhascos; e ainda nem isso, nem suas figuras monstruosas, visíveis com a aproximação dos barcos, impediam os homens apaixonados pelo carinho em seus rostos e sons doces, de chegarem mais perto, até deslizarem de cabeça na armadilha.

Na Idade Média, os autores tiveram um evidente prazer em citar todos os exemplos de uma reunião com uma sereia, ou, para usar a palavra então popular, uma Sirene.

No Peloponeso, Teodoro de Gaza afirma que viu várias sirenes naufragadas (por assim dizer) na costa. Uma delas ele recolocou na água, e imediatamente ela fugiu.

Jorge de Trebizonda viu ao longe no mar uma mulher emergir da água até a cintura, mergulhando de brincadeira nos intervalos.

Julius Scaliger ouviu dois dos servos epirenses de seu pai declararem que cada um deles teve a boa ou rara fortuna de conhecer um tritão; e o mesmo foi dito por outro homem, Constantinus Paloeoeapus.

Valerio Tesiro, natural de Valência, informou ao referido Scaliger que um tritão que tinha sido capturado na Espanha, foi jogado de volta em seu elemento nativo durante a oração de um embaixador.

Gyllius afirma que na Dalmácia “homens marinhos” foram capturados, com uma pele tão dura que as solas dos mais grossos sapatos foram feitas disso.

Shakespeare registra a exibição de um “peixe estranho”, o que foi a maravilha dos londrinos em seu tempo. Ele representa Autolycus dizendo: - “Aqui está outra balada de um peixe que apareceu na quarta-feira, oito de abril, acima da água, e cantou uma balada para os duros corações. Achava-se que ela era uma mulher, e foi transformada em um peixe frio, pois ela não se entregou a alguém que a amava.”

Impresso
R$ 53,63

Ebook (epub)
R$ 33,37

Tema: Educação, Geografia E Historia, Realismo Fantástico, Antigo, Civilização, Medieval Palavras-chave: história, mitologia, sereias

Características

Número de páginas: 37
Edição: 1(2021)
Formato: A4 210x297
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.



Personalizar acabamento
Para comprar cópias com opções de acabamento diferentes entre si, é necessário adicionar uma versão de cada vez ao carrinho.

Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.