Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

CRIMES & CONTOS MACABROS

Por: Isaac Soares de Souza

O homem é assassino por natureza. Mesmo que tenha em seu íntimo a capacidade de manter preso o instinto assassino, diante de quaisquer vicissitude que o ameace ou atente contra sua liberdade e pensamento, imediatamente seu instinto aflora e daí para uma desativação da sua fúria contra aquele que o ameaça de perder sua liberdade e espaço ou o amor que ele professe por alguma coisa que acredita lhe pertencer por direito, até mesmo o amor de uma mulher, de um filho, de um amigo, de propriedades e de pensamento, transforma esse homem em perigoso e hediondo assassino. Os crimes mais hediondos, em toda a história humana, foram cometidos por amor, carnal ou ideológico. Os crimes mais terríveis, entretanto, foram cometidos por homens poderosos, governantes e ditadores, que desde o princípio, praticam genocídios contra seus povos, escravizando-os e impondo-lhes as mais nefandas formas de sobrevivência. Todos esses genocidas pagaram caro por suas insanidades, depostos, exilados, assassinados, condenados à prisão e ao degredo e mesmo assim, com o julgamento popular ou destronados por alianças de países ou por guerras civis ou guerras arquitetadas por governos que se sentiam ameaçados e indignados, todos pagaram e ainda pagam por suas maléficas formas de comandar e de impor sua força contra os desvalidos. Tais formas de atitudes grotescas e genocidas, de uma forma ou de outra, são alicerçadas no amor que cada qual possui em seu íntimo. Acredita-se que, o homem quando afirma amar ao próximo, amar ao povo, amar sua terra e suas ideologias, tem o direito, segundo o seu pensamento, de impor à força aos que o flanqueiam, sua ideologia. E essa insanidade é o medo que cada qual tem de perder seu pretenso poderio. Não se poderia discorrer sobre os crimes mais hediondos contra a vida, sem impor-lhes a pecha de amor velado pelo que se acredita ser o correto e cada qual de nós, admita-se ou não, somos todos dotados da mesma característica: somos todos assassinos e ditadores enrustidos e controlados. No Antigo Testamento, o assassino, além de ser condenado à morte por ordem divina, muitas vezes era mandado para um lugar ermo e ali permanecia por longo tempo até que fosse tudo esclarecido, quando o crime cometido era sem a intenção de matar, crime acidental, que era julgado pelo sacerdote local e cuja pena de degredo era cessada na ocasião em que o sacerdote morresse. São muitas as passagens bíblicas contidas em inúmeros versículos, que confirmavam a morte de assassinos decretada por Deus. Antes de ser condenado à morte, era necessário que houvesse uma investigação clara e imparcial das circunstâncias do crime, necessária seria a comprovação de duas testemunhas oculares e um julgamento digno. Alicerçada em tais versículos e nas condenações que asseguram profetas e discípulos e religiosos de todas as denominações, a Igreja Católica engendrou contra a humanidade a Inquisição, que matou na fogueira e sob as mais hediondas torturas, milhares de pessoas e famílias inteiras, acusadas de traição ao catolicismo e de bruxaria. Este, com certeza, trata-se de um dos mais hediondos e macabros crimes contra a humanidade. E o que dizer do Grande Genocídio Americano, quando Uruguai, Argentina e Brasil, unidos pela Tríplice Aliança, comandada pelo império inglês, em 1866 dizimou a população do Paraguai? Mais de 95% da população guarani foi executada e o Paraguai, que na época mantinha um sistema de governo livre do imperialismo e com um nível industrial sem concorrentes, um país sem analfabetos e onde os ricos foram desprovidos de suas fortunas conseguidas com o apoio do império inglês, com a escravidão e exploração dos pobres, ocasionou contra si, o mais tenebroso embuste e genocídio.

Impresso
R$ 49,26

Tema: Crimes Verídicos, Não Ficção Palavras-chave: brasil, chocaram, crimes, o, que

Características

Número de páginas: 252
Edição: 1(2021)
Formato: A5 148x210
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.