Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

Telessaúde e COVID-19: Relatos de uma equipe multiprofissional

Por: Andréa Costa de Andrade; Maria Gracileide Alberto Lopes

Ao final do ano de 2019, surgia um novo vírus que tinha se alastrado pela China, e jamais imaginávamos que ele chegaria ao Brasil e, muito menos a Manaus. Seguíamos nossas rotinas normalmente, tendo a crença que o vírus não chegaria as nossas vidas.

A doença avançou, os números de casos aumentaram e a pandemia atravessou fronteiras, cruzando mares, rios e céus, contaminando outros países, foi quando começamos a perceber que não se tratava de uma simples “gripezinha”. Então, em fevereiro de 2020, foi confirmado o primeiro caso de COVID-19 no Brasil, tratava-se de um homem que tinha vindo da Itália e residia em São Paulo. Em 13 de março de 2020, Maria Gracileide (Assistente Social), Mary Anne (Psicóloga), Jaqueline (Profissional de Educação Física), Gabriela (Enfermeira), Raynara (Fisioterapeuta) e Hermon (Fisioterapeuta), já atuando como residentes multiprofissionais do Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), vivenciaram o primeiro caso confirmado da COVID-19 em Manaus. Nessa época, os jornais não falavam de outra coisa além do avanço do vírus pelo mundo e a devastação que o acompanhava. A população manauara aterrorizada com as notícias começou a tomar suas medidas preventivas: comprar máscara, produtos de limpeza e muito álcool em gel.

Com o rápido aumento de novos casos da COVID-19, um clima de tensão pairou no ar, sentimentos de medo e incertezas de se estar infectado emergiram junto a disseminação de um pânico social.

Para agravar, surge o primeiro colapso contemporâneo no Sistema Único de Saúde. Atender os acometidos pelo coronavírus tornou-se a meta; faltavam respiradores, leitos e esperança. A chamada “primeira onda” deixou muitas sequelas e perdas irreparáveis às famílias amazonenses. A clausura, o isolamento social, o home office e o lockdown configuraram-se em novos moldes e estilos de vida. Nesse contexto, as Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) atuaram como experiências inovadoras e gratificantes para o atendimento ao público.

A saúde digital ou e-saúde tornou-se uma realidade estratégica de inovação em saúde que faz uso de diversos recursos tecnológicos e redes sociais e de comunicação modernas que utilizam aparato tecnológico de ponta, levando atendimento multiprofissional em saúde àqueles que necessitam e que muitas vezes residem em áreas remotas. Recursos tecnológicos síncronos e assíncronos passaram a serem empregados na saúde, tais como: teleconsultas, telegram, chatboot, podcast, instagram, facebook têm sido parte da existência humana em saúde em tempos de pandemia e a Telessaúde UFAM destaca-se nesta prática, oferecendo serviços multiprofissionais em saúde à comunidade manauara e aos municípios da Amazônia remota.

Nesse contexto pandêmico, os serviços de telessaúde tornaram-se uma importante ferramenta de garantia e feedback da qualidade do atendimento em saúde, pela rapidez, redução das distâncias, promoção e troca de conhecimentos e implementação de inovações na rede de cuidados em saúde. Nessa empreitada, ingressou a Comissão de Residência Multiprofissional em Saúde (COREMU) que junto ao Programa “Brasil Conta Comigo”, em linha de frente, passou a desenvolver atividades voltadas ao combate da COVID-19.

Inúmeras têm sido às ações, muitos são atendimentos e as benesses profissionais pelo retorno inestimável das atividades realizadas em telessaúde, experiências únicas e conjuntas da Residência Multiprofissional em Saúde (RMPS) entre quem cuida e quem é cuidado.

Nessa obra segue um pouco do legado dos residentes multiprofissionais em saúde, os quais compartilham algumas de suas experiências em telessaúde, incluindo os cinco trabalhos a seguir...

A autora Maria Gracileide Alberto Lopes escreve Telessaúde e Serviço Social: possibilidades de atuação durante a pandemia de COVID-19 no Amazonas. O trabalho comenta sobre a visão e as atividades do assistente social na telessaúde, incluindo as produções digitais, os materiais informativos táticos e o trabalho remoto diante de todo um novo contexto pandêmico, considerando todas as diretrizes e normas dos Conselhos Federal e Regional de Serviço Social (CFESS e CRESS), dando destaque aos direitos políticos e sociais, direitos previdenciários, porjetos sociais e programas de auxílios, tais como o auxílio emergencial. O Serviço Social passou a desenvolver atividades por meio de plataformas e mídias sociais com o intuito de fazer com que a população tivesse acesso às informações referendadas pelas instituições, órgãos e organizações que durante o período pandêmico a fim de evitar aglomerações e disseminar informações pelos meios de comunicações, em consonância com o que prevê o CFESS, sobretudo nesse contexto de excepcionalidade e das legislações que respaldam a atuação do/a Assistente Social (Lei nº 8.662/93 e Código de Ética/93).

Outro relato de experiência conta sobre A atuação de fisioterapeutas em telessaúde durante a pandemia de COVID-19: Experiências e desafios, dos fisioterapeutas Raynara Fonseca dos Santos e Hermon Nogueira Lopes, elabora uma trajetória sobre as atividades desenvolvidas pela Fisioterapia junto às Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC’s) como ferramentas estratégicas de políticas em saúde. As atividades são diversas e incluem a utilização de ambiente virtual, redes sociais, Instagram e Facebook, bem como a ferramenta Chatbot e Telegram, com objetivo de esclarecer a população do Amazonas e a todo território nacional, sobre o enfrentamento da Pandemia de COVID-19 e seus impactos. Frente a esta nova realidade, o Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO) autorizou através da Resolução nº 516, de 20 de março de 2020, especificamente no artigo 2º, o atendimento não presencial nas modalidades de Teleconsulta, Teleconsultoria e Telemonitoramento. A partir desse avanço, o compartilhamento de experiências e a atuação do fisioterapeuta enquanto profissional da saúde que passa a utilizar das novas tecnologias de informação e comunicação na atenção à saúde à população em geral, se fortalece e inova a atuação profissional do fisioterapeuta na promoção, prevenção e recuperação em saúde em diferentes âmbitos, modalidades e circunstâncias.

O relato sobre Acolhimento psicológico no período de pandemia de COVID-19: Uma experiência de residência em Psicologia na Telessaúde/UFAM da psicóloga Mary Anne Rodrigues Prata, fala sobre os medos, ansiedades e angústias da população diante de um futuro incerto quanto à saúde e a sobrevivência. Nesse contexto de pandemia, a psicologia atua em ações remotas que tentam auxiliar os usuários do SUS por meio do acolhimento e orientações psicológicas na tentativa de trabalhar sintomas psicopatológicos que fragilizam o indivíduo, devido ao isolamento social, receio de adquirir doenças, pela perda de entes queridos. Diante dessa nova realizada, o Conselho Federal de Psicologia normatizou a resolução CFP nº 04/20 que permite a atuação do psicólogo via o atendimento remoto, por meio do cadatro no sistema e-Psi. Consultas online e por whatsapp tornaram-se uma nova realidade para a Psicologia, além das tecnologias da informação e comunicação chatbot e telegram.

Outro destaque é o artigo Experiência de uma enfermeira em telessaúde durante a pandemia de COVID-19: vivências e reflexões da enfermeira Gabriela Moraes de Abreu que dialoga sobre os novos protocolos que surgiram na Enfermagem no atual cenário do vírus SARS-CoV-2. A autora explica que a teleconsulta de enfermagem na COVID foi regulamentada pela Resolução nº 634/2020 do COFEN a fim de romper barreiras e diminuição situações que provoquem o contágio e, é alicerçada nos preceitos éticos quanto ao resguardo da saúde com sigilo, incluindo anamnese, diagnóstico, plano e implementação de cuidados, implementação e avaliação do paciente. A estratégia da teleconsulta é realizada em diferentes plataformas como: Instagram, Twitter, Facebook, Whatsapp, Telegram, Youtube ou Podcasts No Spotify. A meta é dar continuidade a expansão dos modos de cuidar.

O artigo O profissional de educação física na telessaúde: experiências em tempos de pandemia da COVID-19 escrito pela profissional de educação física Jaqueline Lima de Souza, comenta sobre o uso das ferramentas tecnológicas, bem como, a telessaúde tornou-se um novo cenário de atuação para residência multiprofissional, enriquecendo a ótica de assistência humanizada e ensino-aprendizagem, antes habituados ao âmbito presencial. Diante do cenário atípico, em 11 de maio de 2020, foi publicado no Diário Oficial da União o Decreto nº 10.344, obedecidas as determinações do Ministério da Saúde, que a prática de exercícios físicos traz benefícios para a imunidade, podendo assim contribuir no combate a COVID-19. A contribuição da Educação Física nas atividades da telessaúde desenvolveu-se por meio da produção e análise de material digital, ou seja, recursos visuais e audiovisuais para publicação e monitamento nas mídias sociais, com destaque para facebook e instagram e atendimento individual online por meio da teleconsulta. Além de envolver-se em reuniões de planejamento e execução das ações das atividades que envolvessem a equipe multiprofissional como um todo.

Isso mostra que a comunicação efetiva mesmo que à distância, o saber lidar com as tecnologias da informação e comunicação e ter empatia com os usuários contribuem imensamente para o aperfeiçoamento profissional, além de prestar assistência qualificada levando qualidade de vida para a sociedade em tempos de pandemia.

Enfim, é com imenso prazer que redijo a apresentação dessa obra destes grandes profissionais e pesquisadores, os quais, mesmo no cenário tão singular tiveram a preocupação de escrever sobre o seu cotidiano o que, certamente, acrescenta ao acervo da Saúde Pública brasileira trazendo ao público esta obra tão necessária para refletirmos as possibilidades do aqui e do agora.

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 49,53

Ebook (PDF)
R$ 27,98

Tema: Saúde E Fitness, Desenvolvimento Humano, Ciências Humanas E Sociais Palavras-chave: equipe, manaus, saúde, telessaúde

Características

Número de páginas: 85
Edição: 1(2021)
Formato: A5 148x210
ISBN: 978-65-993-5591-2
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Couche 150g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.