Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

Maternidade sem censura

Como ser a mãe que o seu filho precisa

Por: Keissy Kelly

O objetivo principal deste trabalho é desmistificar a maternidade (e a paternidade) através do esclarecimento do real papel da mãe e do pai dentro do processo de desenvolvimento da criança, bem como dos seus desafios – aqueles que ninguém tem coragem de falar -visando ajudar a ambos a estarem melhor preparados para essa nova função que assumirão (ou já assumiram). Aprendemos a acreditar que ser uma boa mãe é estar disponível, física e emocionalmente, para o nosso filho. O que não nos contaram é que isso é saudável apenas por um período, mas que depois, é justamente a capacidade de demonstrar para esse mesmo filho que ele não é o único desejo da mãe que o fará mais forte para a vida. E é para falar dessa outra parte da história que eu comecei a desenvolver este trabalho. Aqui, podemos comparar o papel da mãe com o papel que o sol tem na vida de todos os seres que, ao mesmo tempo que traz vida, orientação e conforto, em excesso, pode machucar e até mesmo matar. E quando digo matar não é apenas sobre tirar a vida, mas sobre tirar a capacidade de viver e de dar conta da própria vida, o que veremos em maiores e melhores detalhes adiante. Quando mostramos aos nossos filhos que eles não são o centro de nossas vidas, mostramos a eles que somos independentes e que, como tal, ele pode seguir para a vida sem que isso acarrete a nossa morte. E aqui uso esse termo bastante forte pois, acreditem, alguns adultos não conseguem obter sucesso profissional e amoroso porque acreditam, consciente ou inconscientemente que, para poderem ter uma vida para si precisam, de certo modo, trair aquela que lhe deu a vida e que renunciou a tantas coisas por ele. Um outro aspecto também muito importante é que, quando deixamos que nossos filhos acreditem que são o centro de nossas vidas por um período maior do que o desejável, eles não desenvolverão a capacidade para lidar com a frustração da vida e os nãos serão penosos demais para suportarem. Não aprenderão a renunciar um emprego que não lhe satisfaz e até mesmo uma relação abusiva, por exemplo. O fato é que, com os desaparecimentos e reaparecimentos da mãe, o bebê entende que os objetos continuam a existir, mesmo quando não são vistos e, por isso, ele não precisa temer. Mas, veja bem, para que o filho possa passar pelo processo de frustração de forma adequada, ele precisa, antes de tudo isso, ter se sentido amado e amparado por ela. Afinal, tudo na vida é um processo, e a maternidade não é diferente. O meu papel aqui é te mostrar que fases são essas, que compõem esse processo, para que você possa passar por elas de forma mais suave e com muito menos culpa por ser um ser humano como outro qualquer, cheio de falhas, acertos, desejos e necessidades – você vai aprender aqui que não precisa abdicar de si para se tornar mãe e que, ao contrário do que se imaginava, o quanto isso pode ser impactante negativamente para o seu filho de diversas formas. Você vai aprender aqui que ser uma boa mãe é também ser capaz de frustrar – na medida certa – aquele a quem você deu a vida. E quando digo na medida certa, menciono a importância de nos atentarmos para a possibilidade de cair no extremo oposto de uma frustração e castração demasiadas. Afinal, uma criança que é criticada e negligenciada em excesso não deixa de amar essa mãe, ou esse pai – mas ela passa a acreditar que não merece ser amada -nem mesmo por ela própria. Aqui vemos os casos de baixa autoestima e insegurança nos tantos adultos que encontramos pela vida. E se esse for o seu caso, procure ajuda, para que você possa desenvolver a mãe em potencial que existe dentro de você. Esse projeto é, em resumo, uma oportunidade de mostrar a você que sim, você pode e deve autorizar-se a fazer o melhor que pode como mãe – nem mais e nem menos do que isso.

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 45,47

Ebook (PDF)
R$ 25,19

Tema: Saúde Mental, Paternidade, Maternidade, Psicologia, Família E Relacionamentos, Desenvolvimento Humano Palavras-chave: ansiedade, autoestima, autopercepção, depressão, desenvolvimento, educação, família, filhos, gestantes, maternidade, mãe, pessoal, puerpério, real

Características

Número de páginas: 160
Edição: 1(2021)
Formato: A5 148x210
ISBN: 978-65-001-8907-0
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.