Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

VESTÍGIOS DE UM FOGO QUE SE APAGOU

POEMAS

Por: MARCOS AVELINO MARTINS

87º livro do autor das séries "OLYMPUS" e "EROTIQUE", todos eles publicados no Clube de Autores, exceto "Poeticamente teu", da Coleção Prosa e Verso 2019 da Prefeitura de Goiânia.

Alguns trechos:

“Será que algum dia finalmente terei paz, / E poderei dizer que o meu coração sossegou, / Transformado em cinzas por um último amor voraz, / Deixando vestígios de um fogo que afinal se apagou?”

“E, mesmo que por um dia apenas, / Leve-me a suas praias serenas, / E diga-me frases obscenas, / Beije-me como nunca o fez, / Ainda que seja pela última vez...”

“Então, entre aqueles povos, antes adversos, / A paz se fez por causa daqueles versos, / E juntos compuseram para eles uma linda melodia, / Criando assim uma nova forma de Poesia, / Que se espalhou, triunfante, / Semeando a paz, antes sonho delirante,”

“Dizem alguns que sou louco, / Por ir atrás de meus sonhos, / Mas e se for este o segredo? / Mas sempre fui meio louco sim, / Se não o fosse, não seria poeta,”

“No fundo, é porque eu lhe atraio, / Mas você tem medo de mim, / Mas não mordo, exceto em lugares estratégicos, / Onde suaves mordidas arranquem doces gemidos...”

“E depois de ficar insanamente nua, / Cubra com a mão seus segredos, / Faça cara de menina levada, / E pergunte se vou ficar aqui parado, / Ou se preciso que me instrua / A invadi-la, com meus lábios e dedos,”

“Não fuja, / Para seu mar não abrigar o meu rio, / Não ruja / Como uma leoa no cio! / Meus dentes não mordem ninguém, / Exceto para arrancar gemidos de prazer,”

“Depois do vendaval que nos separou, / Levando consigo histórias e destinos, / Como limpar a bagunça que o vento deixou, / E junto esquecer os nossos desatinos?”

“E então, a primeira coisa que fiz / Foi descobrir onde você mora / E vir aqui, cheio de medo, / Tocar a sua campainha, / E, ainda cheio de rubor, / Pois algumas coisas não mudam, / Perguntar-lhe, olhos nos olhos, / Se existe alguma forma, / Por mais difícil que seja, / De armar de novo / Aquelas doces armadilhas / Nesse seu olhar que jamais esqueci...”

“Descobri que de amor nada sei, / E até a Poesia de mim se cansou, / Fugiu da casca vazia que me tornei, / De tudo o que eu amava, nada restou...”

“Pois, nessas tramas que a vida tece, / Escritas por algum sádico escritor, / Quando, ao final de cada ato, a cortina desce, / Só o que vemos é mais uma cena de horror!”

“E imagino: onde será que andas? / De ti, nunca mais tive notícias, / Nunca mais te vi por essas bandas, / Mas nunca esqueci tuas delícias.”

“Quando tudo em volta eram ruínas, / Chegaste e rompeste minhas trevas, / Descobriste tesouros em minhas minas, / Fizeste jorrar amor de minhas fontes primevas!”

“Você está por aqui à minha volta, à solta, / Irredutível, de modo inconcebível, / Como se não houvesse partido / Para o lugar de onde não se volta...”

“Meu nome agora é Ninguém, / Contando os dias que me restam / Para juntar-me à multidão dos errantes, / Que vagam pelas profundezas do inferno, / Por toda a Eternidade...”

“Mas você nunca me amou, não sei o porquê, / E, se me disse, não guardei na memória, / Mas o tempo passou, nesse galope incessante, / E até hoje me lembro de seus olhos perversos, / Ao me dizer adeus naquela noite escaldante, / Que fez nascerem os mais tristes de meus versos...”

“Mas só tive amores que nunca quis, / O que tanto queria jamais consegui, / A dona do olhar que para mim brilhava / Nunca foi minha...”

“Mas eu preferiria / (Que me desculpe a Poesia!) / Que esse deus desalmado / Tivesse me acertado, / Em vez dessa cruel flechada, / Quem sabe com uma pedrada / Bem no meio do rim...”

“Algures, alijando alquimistas alopáticos, / Aliados além alcance almejam alforria. / Alguém alterado alucinadamente alardeia: / Aleluia, Alá!”

“O ser humano é um animal erótico, / Seduzir faz parte de nossos legados, / A sedução é como um ato hipnótico, / Que espalha feromônios por todos os lados!”

“E meus risos deram lugar à tristeza, / Pois não há maior tormento que esse, / Chamado saudade, doença traiçoeira, / Provocada pela sua ausência...”

“E, quando você se vira, e me encara, / E vê esse espanto em meus olhos estampado, / Suas asas se abrem, e você ri da minha cara, / E da minha cegueira, típica de apaixonado!”

“De tudo o que me disseste, / Só de uma palavra eu me lembro, / Exatamente a última: "adeus", / E ela se espalhou como uma peste, / Naquele triste dia de Setembro, / Infiltrando-se nos dias meus, / Pelas minhas sinapses e neurônios, / Gânglios, células, veias e artérias, / Implacável, destruidora, / A alimentar meus demônios...”

“Quanto mais passam os anos, menos me restam, / Perdi há muito tempo o viço da juventude, / Essas marcas em meu rosto o atestam, / Mesmo que continue esbanjando saúde.”

“Eu já preparava o ataque / Para te dar um beijo, mas me deste um breque, / E, com aquele teu enorme chilique, / Confesso que levei um choque, / E acho que fiquei mais verde que o Hulk!”

“Mas o que é que posso fazer, / Exceto dar vazão a tantas histórias tão diferentes, / Que vivem a bailar pelos meus pensamentos, / Como se tivessem acabado de acontecer, / Ou outras que ainda nem sequer ocorreram?”

“Sou especialista em Letras Mortas / E estudioso em Ciências Apagadas, / Tentando em vão abrir sinistras portas, / Que deveriam permanecer para sempre fechadas!”

“No meu aniversário, num certo dia de Agosto, / Nesse clima seco, em mim faz um frio polar, / Por que minha nave te trouxe a bordo, / Em minhas viagens sem fim pelo inverno, / E essa lágrima doida insiste em rolar / Pelas rugas que marcam meu rosto?”

“De meu antigo eu, ando à procura, / Aos poucos, vou perdendo a sanidade, / E essa vacina contra amor não é a cura / Para essa doença chamada saudade...”

“O seu oceano engoliu o meu lago, / Seu martelo entortou o meu prego, / E o tempo virou meu maior inimigo! / Em nome da emoção, apague o meu fogo, / Só por ti o verbo amar de tantas formas conjugo...”

“Eu sem você, / Sou chuva sem temporal, / Um piloto sem brevê, / Um amor sem contato carnal.”

“Passamos uma noite juntos apenas, / E essa única noite foi um fracasso, / A comunhão de nossos corpos não deu liga, / Não protagonizamos eróticas cenas, / Tu és meio frígida, e eu sou meio devasso, / Não menciono teu nome em nada que eu diga.”

“Eu sou a sua lenda, e você, a minha história, / Eu sou a sua lembrança, e você, minha memória, / Eu sou a sua doença, e você, a minha cura, / Eu sou o seu amargor, e você, minha doçura,”

“Expulse‌ ‌de‌ ‌seu‌ ‌coração‌‌ / Tudo‌ ‌o‌ ‌que‌ ‌não‌ ‌for‌ ‌convidado,‌‌ / Expulse‌ ‌a‌ ‌tristeza‌ ‌e‌ ‌o‌ ‌pecado.‌‌ / Dê‌ ‌um‌ ‌adeus‌ ‌sem‌ ‌explicação‌‌ / A‌ ‌quem‌ ‌não‌ ‌lhe‌ ‌demonstra‌ ‌amor,‌‌ / Compre‌ ‌um‌ ‌bilhete‌ ‌sem‌ ‌volta‌‌ / Para‌ ‌quem‌ ‌lhe‌ ‌enche‌ ‌de‌ ‌revolta,‌‌ / E‌ ‌de‌ ‌um‌ ‌silêncio‌ ‌assustador.‌‌”

“Mas, quando chegar o meu dia enfim, / Libertarei a Poesia, em minha alma cativa, / Para que, mesmo após o meu fim, / A melhor parte de mim sobreviva...”

“Depois dessa última estação, não há mais passagens disponíveis, / O condutor já recolheu o derradeiro bilhete, / Tudo o que nos resta é nos lembrarmos dos momentos incríveis, / E de quando, no dicionário do amor, adicionamos o último verbete!”

“Adeus, minha amada, será que você também me ama? / Jamais saberei, e depois desse último poema, / Sobre o derradeiro instante que esse corte sublima, / E subitamente desse mundo me toma, / Sigo rumo à eternidade, se é que existe alguma...”

“Nessas silenciosas conversas / Entre nossos olhares, / Que se cruzam suavemente, / Vejo, em teus olhos imersas, / As luzes de vários pulsares, / Que me provocam mansamente...”

“Fui caçar uns dias na praia, / Mas no último dia de pilhérias / Esqueci de passar filtro polar, / E fiquei todo teimado! / Logo depois que revoltei, / Consultei-me com o ortopédico, / Que me receitou uma tomada, / Para curar minhas ataduras!”

“Minha cachorra nunca mais soltou / Os seus alegres latidos, / A música em minha casa nunca voltou, / Pois mortos por dentro não emitem ruídos.”

“Quando finalmente nos descolamos, / Mas abraçados ainda ficamos, / E esse fogo selvagem aos poucos morre, / Enquanto minha seiva de seus lábios escorre, / E então, a noite suavemente me responde, / Pois, vindo não sei de onde, / Vem-me à mente, num silêncio revelador, / A descoberta de que o nome desse fogo é amor...”

“Será que essa sensibilidade imensa, / Que mostro nas histórias que a noite tece , / Não passa de uma doença, / Que se manifesta assim que anoitece?”

“De narrar tragédias / Já ando cansado, / Mas como inventar comédias, / Nesses tempos onde rir é pecado, / Se hoje é politicamente incorreto / Sacanear com qualquer pessoa, / Pois baixaram um decreto / Proibindo mexer com quem nasceu em Lisboa, / Ou com quem tem cabelo pixaim, / Ou por acaso seja meio gorducho?”

“A Poesia é o meu último recurso / Para combater essa hecatombe em curso, / Esse holocausto que se abate sobre mim, / Materializado nessa noite sem fim...”

“De ti tenho sede, / Mas bato nessa parede / Que entre nós ergueste, / Quando, sem que eu visse, desceste / Suavemente do céu, / Com tênues asas de papel, / Como se um anjo fosses, / Com esses teus lábios doces, / Mas que dizem palavras de aço, / Que arrancam de mim um pedaço,”

“Sempre que tento desvendar teus mistérios, / Tu me olhas com esses olhos profundos / E perguntas se não tenho problemas mais sérios / Do que tentar invadir os teus mundos...”

“Pois poetas são assim, sonhadores, / Sempre surfando em ondas proibidas, /

Explorando cavernas mentais, / Imaginando replicar seus amores, / Guardando paixões reprimidas, / E sonhando com beijos siderais...”

“Se vier a 3ª onda, quem sabe, / Ao final dela, a Terra fique a salvo / Do pior de todos os vírus possíveis, / Que chamam por aí de ser humano!”

“Em minhas aventuras poéticas, / Ajo como se fosse blindado, / Enfrento deuses e dragões, / Tenho habilidades proféticas, / Penteio a juba de ferozes leões, / Prevejo o longínquo futuro, / Viajo de volta ao passado...”

“A long time ago, / I used to run of the sweet traps, / Implicit in your gaze to me, / But I didn't know the reason of running! / I was so young and shy, / And I was terrified of you, / Didn't want to fall in love and suffer.”

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 46,67

Ebook (PDF)
R$ 17,22

Tema: Poesia, Literatura Nacional, Entretenimento Palavras-chave: aventura, erotismo, lirismo, poemas, poesia, romantismo, sensualidade

Características

Número de páginas: 124
Edição: 1(2021)
Formato: A5 148x210
ISBN: 979-87-250-7590-8
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Couche 90g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.