Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

R E T E X T U A L I Z A Ç Ã O

aspectos educativos, artístico-literários e descoloniais

Por: José Flávio da Paz (Org.)

PREFÁCIO

Márcia Dias dos Santos

Universidade Federal de Rondônia – UNIR

Campus Guajará-Mirim

A presente edição da obra Retextualização, nesta 5ª edição abordará os aspectos educativos, artístico-literários e descoloniais e conta com valiosos sete artigos e um ensaio escritos por pesquisadores e pesquisadoras de várias regiões do Brasil.

As pesquisadoras Antonia Cristina Valentim da Luz (UFMT) e Deise Leite Bitencourt Friedrich (IFRS), no capítulo 1, intitulado PROCESSOS DE RETEXTUALIZAÇÃO PRESENTES NO SEMINÁRIO ACADÊMICO abrem este livro e trazem reflexões e resultados de uma pesquisa realizada em quatro cursos de Bacharelado da Universidade Federal de Mato Grosso/campus Cuiabá, quais sejam: Ciência e Tecnologia de Alimentos, Engenharia Elétrica, Psicologia e Sistemas de Informação. Na pesquisa, discutem sobre os processos de retextualização presentes no Seminário Acadêmico. O objetivo do estudo foi evidenciar os processos de retextualização presentes na preparação e na apresentação do gênero, investigando as dificuldades encontradas pelos graduandos nestas duas etapas. Para tanto, adotaram a metodologia qualitativa ao analisar os relatos dos sujeitos. As reflexões que partiram das análises apontam para a necessidade de sistematização e ensino do gênero oral em foco.

No segundo capítulo, sob o título “ATRÁS DA PORTA”: CENAS CINEMATOGRÁFICAS INTIMISTAS DE SOLIDÃO, o pesquisador, Bento Matias Gonzaga Filho (UNEMAT) buscou evidenciar e exercitar a percepção de cenas de cinema na letra da canção “Atrás da porta”, de 1972, composta por Chico Buarque de Hollanda. Através dessa luz, discutiu a solidão intimista da personagem da mulher. Segundo Adélia Bezerra de Meneses (2001, p. 94) “a separação do casal é mostrada quase que cinematograficamente, pelo movimento de distanciamento da mulher em relação ao homem, como que focalizado por uma câmera de cinema”. A voz feminina abafada, suscitando cenas de um filme, é constante como algo íntimo, grão do corpo, em toda a composição de “Atrás da porta”. Na última estrofe, ela é a extensão imagética do dilaceramento da mulher abandonada e humilhada, mas é ao mesmo tempo, a possibilidade do grito, da expressão, do transbordamento no gesto dramático. Chico Buarque demonstra o apuro com o sentido do verso e a imagética a ser despertada no leitor ou ouvinte da canção, como se fosse a montagem de um filme, muito discutida nos textos de Sergei Eisenstein. Há a quebra e o conjunto ao mesmo tempo, o não paralelismo e a síntese. As imagens cinematográficas são decantadas pelo verso.

O capítulo três, REVISITAÇÃO E DESCONSTRUÇÃO DO MITO DAS ICAMIABAS NA OBRA PEQUENAS GUERREIRAS DE YAGUARÊ YAMÃ de Delma Pacheco Sicsú (UEA) e Luis Alberto Mendes de Carvalho (UEA), os autores dialogam acerca do mito das Icamiabas entre a versão produzida por Frei Gaspar de Carvajal e a versão do escritor indígena Yaguarê Yamã. Nesta discussão, problematizam a respeito da condição da mulher indígena e a função ideológica do mito, contrapondo o relato de Carvajal com a obra Pequenas Guerreiras de Yaguarê Yamã. Desse modo, as temáticas em tela são orquestradas a partir da revisitação e desconstrução do mito original presente em Carvajal. Os estudos de Jacques Derrida (2014; 2017), portanto, foram de suma importância para consistência desse trabalho, pois neles se encontram as bases fundamentais sobre a desconstrução a que farão menção. Tomaram de igual modo, como suporte teórico, os estudos de Campbell (1990), Mbembe (2014), Kopenawa (2015), Cassirer (2011), entre outros.

O pesquisador, Jesuino Arvelino Pinto (UNEMAT) e a pesquisadora Julianna Alves Bahia (UNEMAT) no capítulo seguinte, LITERATURA, HISTÓRIA E POLÍTICA NO ROMANCE PREDADORES:O PROCESSO DE (DES)(RE)CONSTRUÇÃO IDENTITÁRIA analisam o romance Predadores, de Pepetela, buscando apreender as formas de representação da condição itinerante que muitos grupos sociais se submetem em função das consequências de revoltas e guerras, modos de governo autoritários e mesmo de acidentes naturais. Ainda, refletem sobre a reestruturação das memórias na formação da identidade de um povo, tendo a personagem central, Vladimiro Caposso, como elemento catalisador da trama demarcada pelo período de 1974 a 2004, compreendendo trinta anos, a partir das lutas finais pela Independência de Angola. Nesse sentido, acreditam que a literatura pode servir de ferramenta de registro e manutenção dos costumes e tradições dominantes, uma vez que o discurso se materializa na oralidade e na escrita, que perpassam a História da evolução do homem como ser social. O suporte teórico do trabalho constitui-se em estudos que permeiam a relação Literatura, História, Política e Sociedade, perpassando pelas acepções de memória e identidade, como: Mata (1993), Candido (1976, 1989), Barthes (1988), Carvalho (2010), Hall (2006), Ricoeur (2007), Lukács (2000) dentre outros. No que tange à formação da identidade cultural, a literatura traduz peculiaridades locais, manifestando os traços do momento histórico e da realidade social nela abordados.

Em NOS CAMINHOS DA RESISTÊNCIA: A POÉTICA CASALDALIANA E A FORTUNA CRÍTICA, os pesquisadores Marcos Fabio da Silva (UNEMAT) e Henrique Roriz Aarestrup Alves (UNEMAT) apresentam uma parte expressiva da fortuna crítica produzida a partir de estudos da obra de Pedro Casaldáliga, com o objetivo de identificar os gêneros, temáticas e imagens recorrentes para, assim, delinear as características fundamentais da poética contemporânea de resistência presentes nas obras do autor.

O pesquisador Néstor Raúl González Gutiérrez, no penúltimo capítulo desta edição, sob o título: LITERATURA E OUTRAS ARTES: A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DE GÊNERO EM PRODUÇÕES FRANCO-LUSÓFONAS, analisa a construção da identidade de gênero a partir das perspectivas biopsicossociais nos contos “Maria Rapaz”, de Rosario Ngunza, e “Isaltina Campo Belo”, de Conceição Evaristo e na produção cinematográfica francesa Tomboy, de Céline Sciamma. Após o estudo das obras, debate a dicotomia gênero e sexo compara as obras reforçando temas como: a construção da identidade de gênero na infância, o corpo como elemento diferenciador biológico e cultural, a sociedade como moduladora das condutas e a violência de gênero como eixo transgressor da intolerância social.

Encerrando a sessão dos artigos resultantes de pesquisas de revisão bibliográficas e/ou aplicadas, a tríade, Rilane Silva Reverdito Geminiano (UNESP)

Sueli Guadelupe de Lima Mendonça (UNESP) e Luciana Raimunda de Lana Costa (UNEMAT), no capítulo, CIÊNCIA E EXPERIÊNCIA: CAMINHOS QUE SE CRUZAM NAS ALDEIAS DOS KATITÃULHU apresentam a escola como a principal precursora da mudança de perspectiva de todo ser humano, pois por meio dela se discute possibilidades de novos caminhos e tem por missão fazer a passagem para novos conhecimentos, novas tradições e novas linguagens. A partir de demandas de implantação de escolas indígenas, acreditam haver empecilhos tanto institucionais quanto culturais e ideológicos que impõem dificuldades para que o ameríndio tenha acesso à educação dentro da sua comunidade. A questão cultural e o entrave com o ensino científico oficial são uma das situações que se apresentam em debate para que a educação se torne um direito efetivo para a comunidade indígena. A dominação social e territorial persiste em transpor-se também para o âmbito de dominância do conhecimento. Neste sentido, o texto discute ainda, a implantação/implementação escolar no espaço das comunidades indígenas para além das regras do não indígena (horário, calendário, currículo e profissionais) para que a sua cultura e tradicionalidade sejam perpetuadas e difundidas com os novos povos.

No ensaio ANÁLISE MILTONIANA NO CLÁSSICO DA FICÇÃO CIENTÍFICA “20 MIL LÉGUAS SUBMARINAS” DE JÚLIO VERNE, o pesquisador, Tito José de Barba Avaroma apresenta o professor de geografia como transformador e transmissor de conhecimento, podendo usar as maneiras metodológicas mais significativas e que demonstram resultados satisfatórios no ensino-aprendizado, a utilização da leitura como método humanístico de tornar o educando autônomo. O incentivo a leituras de gêneros textuais variados pode ser um fator primordial no reconhecimento das múltiplas formas de expressão da escrita e que o professor pode ser um elemento fundamental na vida e na construção socioeducativa do indivíduo. Analisa a obra clássica de ficção científica de Júlio Verne – Vinte Mil Léguas Submarinas caracterizando-a como uma indicação de leitura primordial na construção de aulas de geografia envolvendo a leitura.

Nesse cenário, cumpre-se mais uma etapa na busca da socialização do conhecimento e do saber humano, por meio dos mais variados temas resultantes de pesquisas diversas nas áreas de Humanidades e Artes.

Parabéns aos autores, autoras e ao organizador.

Boa leitura!

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 71,97

Ebook (PDF)
R$ 50,48

Tema: Semiótica E Teoria, Poetry, Filme, Literatura Nacional, Crítica Literária, Artes Cênicas Palavras-chave: artes., cultural., literatura., multiculturalismo., pluralismo

Características

Número de páginas: 190
Edição: 5(2021)
Formato: A5 148x210
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Polen

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.