Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

Bendito Templo de Instrução

Por: Israel Foguel

No dia 30 de dezembro de 1910, numa tarde, o então prefeito Tenente-coronel Manoel Franco da Silveira recebeu um telegrama oficial comunicando-lhe a criação da Escola Complementar em Pirassununga.

Um pouco antes, em 18 de julho de 1910, o Tenente-coronel Franco havia encaminhado ao congresso uma representação por intermédio do deputado Dr. Mário Tavares, que contava com o apoio do senador Coronel Antonio de Lacerda Franco.

Porém, antes que se desse provimento à Escola Complementar criada, entrou em execução a lei nº 2.025, de 29 de março de 1911, que convertia as Escolas Complementares em Escolas Primárias, com aproveitamento dos seus respectivos professores.

Datam de então os primeiros passos para a instalação da Escola Normal de Pirassununga.

Para tal realização muito contribuíram os esforços do tenente-coronel Manoel Franco da Silveira, então Prefeito Municipal de Pirassununga, do Senador Lacerda Franco e do deputado Mário Tavares.

Pirassununga que jazia como que esquecida, numa quadra de longo estacionamento, transmudou-se num núcleo de educação, para o qual convergiam, desde logo, a mocidade de todas as povoações vizinhas.

A Escola foi uma grande conquista em 1910 para uma cidade que tinha apenas 19.540 habitantes. A cidade teve um impulso muito grande com seu funcionamento.

As alunas e os alunos que vinham estudar em Pirassununga eram egressos de regiões como São João da Boa Vista, Aguaí, Casa Branca, Porto Ferreira, Descalvado, Santa Rita do Passa Quatro, Leme, Araras e Santa Cruz da Conceição.

Iam e voltavam de trem diariamente. A maioria dos alunos pertencia à classe média alta e a minoria fazia parte da elite cafeicultora da região.

Todos que se deslocavam para Pirassununga viviam e vivem até hoje de tradição educacional, dada a relevância da Escola Normal. Ser professor, entre as décadas de 1930 e 1950, significava muito.

A economia da cidade dependia muito também da Escola Normal, em virtude da relevância em ser funcionário público à época, que acabavam se formando na escola, se fixando na cidade e fazendo o comércio da cidade crescer.

Ainda segundo relato dos ex-normalistas, os alunos e a cidade amavam a escola.

Mas o tempo foi passando, as leis se modificando, as pessoas se transformando e as vontades políticas e disciplinas ideológicas mudando a cabeça dos governantes, dos pais, dos professores e dos alunos.

A demanda foi diminuindo, e cada vez mais nos últimos anos devido às constantes reorganizações da rede física estadual.

Neste livro você vai acompanhar toda a trajetória deste Bendito Templo de Instrução!

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 65,44

Ebook (PDF)
R$ 33,37

Tema: Preservação Histórica, Educação, Arquitetura, Antiguidades E Colecionáveis Palavras-chave: edifício, educação, estadual, história

Características

Número de páginas: 230
Edição: 1(2021)
Formato: A5 148x210
ISBN: 978-65-002-2288-3
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Couche 90g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.