Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

Relações Internacionais: Temas Contemporâneos

Por: Rodrigo Gallo (organizador)

O campo científico de Relações Internacionais começou a ser construído depois da Grande Guerra, num contexto de expansão da perspectiva liberal impulsionada pela vitória da Tríplice Entente no conflito e pela articulação criada pelo então presidente norte-americano, Woodrow Wilson, para a criação da Liga das Nações. Ocorre que, entre a década de 1920 e o fim da Guerra Fria, em dezembro de 1991, a agenda do cenário internacional foi majoritariamente dominada pela dualidade entre guerra e paz, que mobilizou não apenas os recursos financeiros das grandes potências, mas também os esforços intelectuais necessários para compreender os impactos de todos os confrontos do século XX para as RIs.

A década de 1990 viu não apenas o surgimento de uma suposta nova ordem internacional, mas também a ampliação do leque de temas que passavam a receber mais atenção dos países no âmbito global: diante das mudanças causadas pelo encerramento das hostilidades entre Estados Unidos e União Soviética, houve espaço para as nações adotarem novas estratégias de política externa para aumentar sua presença nos fóruns multilaterais. Logo, discussões até então relegadas à periferia das Relações Internacionais - mas que, pragmaticamente falando, já eram relevantes -, assumiram uma importância maior nas discussões internas às Nações Unidas e mesmo para as relações bilaterais entre os países neste momento de virada epistemológica da disciplina de RI.

Diante dessa mudança, temáticas relativas ao meio ambiente e energia, por exemplo, tornaram-se centrais para os Estados. Consequentemente, também assumiram uma posição de destaque para a formação dos internacionalistas, principalmente porque estão relacionados às novas perspectivas de governança global. Tratam-se de duas discussões que não afetam apenas os governos e o poder público, mas também as empresas multinacionais, que precisam compreender melhor seu processo de inserção internacional diante do novo quadro de abertura neoliberal e do próprio adensamento do processo de globalização: isso significa que temáticas associadas à guerra e à paz passaram a ser relativizadas dentro da nova realidade, e as discussões periféricas passaram por uma elevação de status, inclusive pelo seu peso nos negócios estrangeiros.

É possível verificar que o contexto pós-Guerra Fria afetou sensivelmente a área de Relações Internacionais a ponto de permitir não apenas a inserção de novos temas na agenda, mas também a ressignificação de debates mais tradicionais, como aqueles envolvidos com o campo de segurança. Esse cenário renovado, que é marcado pela ascensão das guerras de quarta geração, ou seja, os confrontos intraestatais, tem gerado duas discussões distintas: primeiramente, o Estado deixa de ser o protagonista dos conflitos, o que remete à reflexão sobre o lugar dos indivíduos na guerra e à construção do conceito teórico de segurança humana; em segundo lugar, devemos assumir que os confrontos também se transformaram diante das novas tecnologias, e, com isso, incorporaram elementos cada vez mais relevantes para o cenário global - levando, assim, às ponderações sobre segurança cibernética..

Além desses temas consideravelmente recentes para as Relações Internacionais, a dissolução da União Soviética e o encerramento da Guerra Fria também impulsionaram os processos de integração regional, que se tornaram mais profundos e densos. É a prova de que a globalização e a regionalização são fenômenos que demandam cada vez mais a atenção dos especialistas e a articulação de conhecimentos interdisciplinares para serem adequadamente analisados. Podemos utilizar dois exemplos para sustentar essa afirmação: foi na década de 1990 que vimos a criação do Mercosul e a união da zona do euro; como contra-exemplo, para demonstrar a complexidade desse assunto, vimos a população do Reino Unido aprovar o Brexit, ou seja, a retirada do país do bloco regional, ao passo em que a Turquia vinha intensificando seu interesse em integrar o grupo.

Esse plano internacional renovado demanda que o estudante de Relações Internacionais receba uma formação interdisciplinar, como forma de se preparar para um mercado de trabalho mais dinâmico - tanto para quem pretende atuar no campo diplomático quanto para aqueles que vão trabalhar em empresas transnacionais. Inclusive, é interessante verificar o quanto o crescimento da área no Brasil está associado ao fim da Guerra Fria: trata-se do período em que a abertura do mercado brasileiro ao exterior passou a exigir profissionais mais capacitados para entender os dilemas do processo de internacionalização e a relevância do setor de relações governamentais para o cumprimento de seus objetivos - o que culminou no aumento do número de bacharelados e matrículas no país.

Partindo dessas premissas, esse livro foi organizado para contribuir com a formação dos internacionalistas nas universidades brasileiras. Os sete capítulos que compõem essa obra discutem temáticas contemporâneas para o campo científico de Relações Internacionais e para o mercado de trabalho, e envolvem pontos cruciais para o atual estágio do desenvolvimento do sistema internacional. O projeto foi elaborado de modo a oferecer ao leitor um conjunto de textos escritos por especialista em cada área, de forma didática e com linguagem acessível. É importante ressaltarmos, contudo, que os capítulos possuem graus de complexidade distintos, em decorrência da divergência de densidade dos temas expostos.

O livro, além disso, foi pensado para que os capítulos estivessem padronizados: todos possuem, além do texto principal, uma série de elementos visuais, tais como gráficos e tabelas, e um glossário com as palavras-chave centrais. Dois detalhes finais: a proposta da obra não é esgotar o debate sobre esses temas, mas sim fomentar algumas das discussões contemporâneas mais elementares para entendermos o campo de Relações Internacionais; por fim, os textos apresentados neste volume não dispensam a leitura das obras clássicas, que são fundamentais para a boa preparação do internacionalista.

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 64,92

Ebook (PDF)
R$ 27,98

Tema: Relações Internacionais, Didáticos, Ciências Humanas E Sociais, Ciência Política Palavras-chave: brasil, história, internacionais, relações, teoria

Características

Número de páginas: 335
Edição: 1(2021)
Formato: A5 148x210
ISBN: 978-65-993-7582-8
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Couche 150g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.