Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

DEBOCHE II

Fraude processual

Por: Marco Antonio Heredia Viveros

Nas últimas semanas acompanhamos notícias de festas clandestinas que se repetiram no final do ano passado ao carnaval, além de bailes funk e outros eventos com a presença de grande quantidade de pessoas. Esses episódios mostraram uma das faces mais cruéis do ser humano, o egoísmo. Mesmo diante da pandemia e do elevado número de infectados e mortes pelo novo coronavirus, muitas pessoas decidiram tomar atitudes que afetam negativamente toda a comunidade, , uma vez que promover aglomerações contribui para o aumento de casos e de mortes. O individualismo tem falado mais alto do que o respeito em relação a essa situação coletiva gravíssima.

O egoísta não pensa no próximo e transgrede um dos principais mandamentos, pontua o bispo Macedo. Também não é raro de observarmos pessoas que causam transtornos por andarem tranquilamente nas ruas sem usar a máscara e há até notícias de indivíduos com Covid-19 que não respeitam o isolamento, não dispensam funcionários e ignoram os riscos às pessoas ao redor. Recentemente, um voo que saiu de Salvador com destino a Brasília teve que retornar ao aeroporto pouco depois da decolagem porque um passageiro se recusou a usar a máscara de proteção, uma medida tão simples, o homem foi retirado da aeronave por policiais federais. Atitudes como essas são criminosas e assustadoras.

Os egoístas também tem lotado praias, quiosques e cidades turísticas, ignorando o distanciamento, o uso de máscara e o cumprimento das normas impostas para combater o vírus.

Muito além de olhar apenas para o próprio umbigo, o egoísta transgrede um dos principais mandamentos bíblicos, como já abordou o bispo Edir Macedo em seu blog. “O Senhor Jesus resume todos os mandamentos a apenas dois: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda tua alma, e de todas tuas forças, e de todo teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo”. Amar a Deus sobre todas as coisas é dar-se por inteiro ao seu Criador. Amar ao próximo como a si mesmo é dar-se a alguém sem esperar nada em troca, pelo pleno exercício de amar por obediência a Deus”, escreveu.

Compartilhar, doar, entregar, sacrificar e dividir não são verbos que o egoísta conjuga em seu vocabulário. Daí podemos concluir que o egoísta se torna deus de sí próprio. Ele se basta, por isso jamais conseguirá reconhecer um Deus soberano. Criador de todas as coisas, simplesmente porque não lhe passa pela mente porque não lhe passa pela cabeça que haja algo ou alguém, acima dele mesmo, que seja relevante para o mundo”. Escreveu.

Do texto anterior podemos concluir que ditas ações próprias dos egoístas são um deboche para com a sociedade e a nação brasileira!

Como veremos no texto deste trabalho, nas publicações das redes sociais, revistas, internet e demais meios de comunicação o egoísmo, o deboche passou a ser considerado um assunto cotidiano no Brasil em todas as camadas sociais.

Este tipo de agressão vem sendo utilizado insistentemente nos diversos níveis sociais, políticos e até por integrantes dos três poderes constitucionais principalmente por pessoas que erra-damente se acham superiores e intocáveis, sendo o pior que até elementos do quadro dos poderes e instituições publicas tenham aderido a este tipo de insanidade que fere não apenas os valores da sociedade mas também os instrumentos Constitucionais existentes no país como veremos mais adiante.

É tão grave a irresponsabilidade egoísta do deboche que alguns elementos antissociais o vem utilizando contra a vida. É desta maneira como a COVID recebe todo o apoio para que continue matando o povo brasileiro.

No artigo a seguir, o bispo Macedo denomina como egoísmo àquelas manifestações que vem acontecendo repetidamente em todo o pais com plenas características de deboche!

Medidas brandas demais vem sendo tomadas pelos governos estaduais traduzidas em multas monetárias. Mas me pergunto: “O que aconteceria se a cada agrupamento de desordeiros as forças policiais em lugar de armas e cassetetes tivesse como ferramentas pequenos tanques com água na qual foram diluídos corantes e terminasse com as festas dando de surpresa banho nas pessoas e locais com dita água impulsionada a pressão? Com certeza ditos egoístas terminaram seus deboches à sociedade manchados e conhecidas suas atitudes e comportamentos desajustados pela vizinhança e familiares assim como as localidades. Seria mais do que vergonhoso ficarem manchadas para seus familiares, amigos em fim para a sociedade?

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 66,33

Características

Número de páginas: 405
Edição: 1(2021)
Formato: A5 148x210
ISBN: 978-65-002-4686-5
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.