Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

Recepção, Emissão e Vice-Versa

Televisão. Jornalismo ambiental. Saneamento

Por: Maria Carcará; e Moita Neto

O telejornalismo ambiental é analisado nesta obra de forma didática e sem monotonia. Acalenta o incômodo de quem admite a existência de estratégias (ou estratagemas?) de produção de matérias que visam garantir a adesão do telespectador ao que está sendo veiculado.

Roland Barthes, na obra Aula, referiu-se a essas inquietações no que se refere à realidade material do discurso: “Inquietação por sentir nessa atividade cotidiana e banal, porém, poderes e perigos que sequer adivinhamos”. O autor não se referia a um discurso específico, mas a qualquer um, inclusive ao que ele próprio proferia. Pedimos licença por evocar a citação de Barthes no sentido de particularizar e, ao mesmo tempo, alertar sobre o discurso jornalístico, cujos interditos – quando percebidos - alertam e intimam à cautela no momento da interpretação.

Sobre os discursos do telejornalismo ambiental, à guisa de comparação, recorremos novamente a Barthes, no momento em que se referiu à palavra dos loucos, que “quando era ouvida, adivinhava-se nela uma razão crédula ou sutil, uma razão mais razoável do que a das pessoas razoáveis...”. Todavia, essa credibilidade consentida aos loucos de Barthes deve ser observada com ressalvas. “É preciso investigar o que é dito e porque é que isso é dito!”.

Barthes nos consola, lembrando que o interlocutor passou a ser mais cauteloso ao interpretar discursos: “a palavra de um louco (e para nós o telejornalismo ambiental) já nos coloca de sobreaviso, já nos induz a procurar nela um sentido, o esboço ou as ruínas de uma obra, e que somos capazes de a surpreender...”

Além da mensagem, outros elementos da comunicação são abordados nesta publicação, confirmando o que preconizou Harold Lasswell, em 1948. O sociólogo afirmou que o estudo científico do processo comunicativo tende a concentrar-se em uma ou outra dessas interrogações: “quem, diz o que, para quem, através de qual canal, com que efeito?”. Não fomos exceção. Este livro circula por todos os questionamentos de Lasswell, mas se detém um pouco mais nas reflexões sobre a relação entre emissor e receptor. Onde começa a emissão e onde termina? O receptor pode ser ao mesmo tempo emissor? Além das respostas a essas perguntas, apresentamos um modelo particular de análise de notícias voltado para o jornalismo ambiental com aplicação prática de exemplo!

Surpreenda-se!

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 63,51

Ebook (epub)
R$ 22,60

Tema: Desastres Naturais, Conservação Ambiental e Proteção, Natureza, Ciência Palavras-chave: ambiental., ambiente., básico, emissão., jornalismo, meio, recepção., saneamento, telejornalismo.

Características

Número de páginas: 206
Edição: 1(2021)
Formato: A5 148x210
ISBN: 9786589972181
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.