Agbook

PHILEBUS

DOS DIÁLOGOS DE PLATÃO

Por: ADEILSON NOGUEIRA

O Philebus parece ser um dos escritos posteriores de Platão, no qual o estilo começou a mudar, e o elemento dramático e poético tornou-se subordinado ao especulativo e filosófico. No desenvolvimento do pensamento abstrato, grandes avanços foram feitos no Protágoras ou no Fedro, e até na República. Mas há uma diminuição correspondente da habilidade artística, uma falta de caráter nas pessoas, uma marcha trabalhada no diálogo, e um grau de confusão e incompletude no desenho geral. Como nos discursos de Tucídides, a multiplicação de ideias parece interferir com o poder da expressão. Em vez da graça igualmente difusa e da facilidade dos diálogos anteriores, ocorrem duas ou três passagens altamente forjadas. Ao invés do sempre fluente jogo de humor, agora aparecendo, agora escondido, mas sempre presente, estão inseridos um bom número de brincadeiras, como podemos arriscar-se a denominá-los. Podemos observar uma tentativa de ornamento artificial, e modos de expressão exagerados. Também exigências clamorosas por parte de seus companheiros, que Sócrates responderá a suas próprias perguntas, bem como outros defeitos de estilo, que nos lembram as Leis. A conexão é muitas vezes abrupta e desarmônica, e longe de ser clara. Muitos pontos requerem explicações adicionais, por exemplo. A referência do prazer à classe indefinida, em comparação com a afirmação que se segue quase imediatamente, que prazer e dor naturalmente têm seu assento na terceira ou classe mista: estas duas declarações são irreconciliáveis. Do mesmo modo, a tabela de bens não distingue entre as duas cabeças de medida e simetria; e embora uma dica é dada que a mente divina tem o primeiro lugar, nada é dito disto soma-se final. A relação dos bens com as ciências não aparece; embora se possa pensar que a dialética corresponde ao bem supremo, as ciências e as artes e as verdadeiras opiniões são enumeradas na quarta classe. Parece que temos uma indicação de uma discussão mais aprofundada, na qual alguns tópicos passados ligeiramente passarão a receber uma consideração mais completa. Os vários usos da palavra mista, para a vida mista, a classe mista de elementos, a mistura de prazeres, ou de prazer e dor, são uma fonte adicional de perplexidade. Nossa ignorância das opiniões que Platão está atacando é também um elemento de obscuridade. Muitas coisas em uma controvérsia podem parecer relevantes, se soubéssemos para o que elas foram destinadas a se referir. Mas nenhuma conjetura nos permitirá suprir o que Platão não nos disse, ou explicar, a partir de nosso conhecimento fragmentário dele, a relação em que sua doutrina estava com o Ser Eleático ou com o bem Megarino, ou com as teorias de Aristipo ou Antisthenes respeitando o prazer. Nem somos capazes de dizer até que ponto Platão no Filebo concebe o finito e o infinito (que ocorrem tanto nos fragmentos de Filolau como na tabela pitagórica dos opostos) da mesma maneira que os pitagóricos contemporâneos. Há pouco nos personagens que é digno de observação. O Sócrates do Filebo está desprovido de qualquer toque de ironia socrática, embora aqui, como no Fedro, atribua duas vezes o fluxo de suas ideias a uma inspiração súbita. O interlocutor Protarchus, filho de Callias, que foi ouvinte de Górgias, deveria começar como um discípulo dos partidários do prazer, mas é atraído para o lado oposto pelos argumentos de Sócrates. Os instintos da juventude ingênua são facilmente induzidos a tomar a melhor parte. Philebus, que se retirou do argumento, é várias vezes trazido de volta, para que ele possa apoiar o prazer, do qual ele permanece até o fim o advogado intransigente. Por outro lado, o jovem grupo de ouvintes por quem ele está cercado, meninos "Philebus", como são chamados, em cuja presença é várias vezes intimado, são descritos como todos eles finalmente convencidos pelos argumentos de Sócrates. Eles têm uma semelhança muito desbotada com o público interessado dos Charmides, Lysis ou Protágoras. Outros sinais de relação com a vida externa no diálogo, ou referências a coisas e pessoas contemporâneas, com a única exceção das alusões aos inimigos anônimos do prazer, e os professores do fluxo, não há nenhum. A omissão da doutrina da recordação, derivada de um estado anterior de existência, é uma nota de progresso na filosofia de Platão.

Impresso
R$ 80,63

Ebook (PDF)
R$ 36,59

Tema: Corpo, Mente E Espírito, Filosofia, Bem & Mal, Ética E Filosofia Moral, Mente & Corpo Palavras-chave: filosofia, philebus, platÃo

Características

Número de páginas: 161
Edição: 1(2017)
Formato: A4 210x297
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.



Personalizar acabamento
Para comprar cópias com opções de acabamento diferentes entre si, é necessário adicionar uma versão de cada vez ao carrinho.

Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.