Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

MOISÉS LEGISLADOR E PROFETA

VOLUME I

Por: Pastor Geovaldo Barroso

MOISÉS - Legislador e Profeta

Volume 1

CCAPÍTULO – 1

Escravidão Egípcia

De acordo com os textos narrados no final de (Gênesis 50.20-26) “Vós bem intentastes mal contra mim; porém Deus o intentou para bem, para fazer como se vê neste dia, para conservar muita gente com vida. Agora, pois, não temais; eu vos sustentarei a vós e a vossos filhos. Assim os consolou, e falou segundo o coração deles. José, pois, habitou no Egito, ele e a casa de seu pai; e viveu José cento e dez anos. E viu José os filhos de Efraim, da terceira geração; também os filhos de Maquir, filho de Manassés, nasceram sobre os joelhos de José. E disse José a seus irmãos: Eu morro; mas Deus certamente vos visitará, e vos fará subir desta terra a terra que jurou a Abraão, a Isaque e a Jacó. E José fez jurar os filhos de Israel, dizendo: Certamente vos visitará Deus, e fareis transportar os meus ossos daqui. E morreu José da idade de cento e dez anos, e o embalsamaram e o puseram num caixão no Egito”, e conforme (Êxodo 12.37-42) “Assim partiram os filhos de Israel de Ramessés para Sucote, cerca de seiscentos mil a pé, somente de homens, sem contar os meninos. E subiu também com eles muita mistura de gente, e ovelhas, e bois, uma grande quantidade de gado. E cozeram bolos ázimos da massa que levaram do Egito, porque não se tinha levedado, porquanto foram lançados do Egito; e não se puderam deter, nem prepararam comida. O tempo que os filhos de Israel habitaram no Egito foi de quatrocentos e trinta anos. E aconteceu que, passados os quatrocentos e trinta anos, naquele mesmo dia, todos os exércitos do Senhor saíram da terra do Egito. Esta noite se guardará ao Senhor, porque nela os tirou da terra do Egito; esta é a noite do Senhor, que devem guardar todos os filhos de Israel nas suas gerações”, apresenta-nos espaço temporal de aproximadamente quatrocentos e trinta anos. Esse foi o tempo profetizado por Deus a Abraão, que a sua descendência aguardaria cumprimento dessa profecia, a posse da Terra da Promessa, Canaã, como herança (Gênesis 15.13-16) “Então disse a Abrão: Saibas, de certo, que peregrina será a tua descendência em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos, Mas também eu julgarei a nação, à qual ela tem de servir, e depois sairá com grande riqueza. E tu irás a teus pais em paz; em boa velhice serás sepultado. E a quarta geração tornará para cá; porque a medida da injustiça dos Amorreus não está ainda cheia”.

Nesse período o povo se multiplicava e se levantava como nação no Egito, mas chegaria o tempo do êxodo de lá, à época de Moisés, a fim de se cumprisse o que Deus prometera aos patriarcas de Israel.

Não podemos pensar que Deus ficou sem testemunhas no Egito nesses mais quatrocentos anos, onde a história bíblica cala-se relativo aos fatos com o povo de Israel. A história, não gira em torno apenas de quando Moisés entrou em aliança com Israel, através da lei, e a instituição do culto e adoração a Deus, e os preceitos e os mandamentos, como cumprimento pelo Seu povo, pois, desde Gênesis, e Adão, Ele já os havia revelado, até Abraão. Claro que, não apenas a partir de Moisés, pois, tratou-se da vontade soberana da Sua revelação aos homens.

Portanto, toda a legislação da lei surgiu através de Moisés, sendo que sua essência em geral, já havia sido revelada desde o princípio. Portanto, logo em (Êxodo 1) há a ligação final de fatos relativos à revelação da história da redenção humana, fatos esses, vividos nos áureos dias de Moisés, os quais são constantes no conteúdo do Pentateuco. Moisés, também registrou as circunstâncias do seu nascimento, da concepção à vida, quando houve a matança de crianças israelitas, através de decreto real de Faraó. A narrativa dos pormenores do seu livramento de morte encontra-se em (Êxodo 1.15-21).

À época, ele apenas registra o fato alegado para a matança, pelo que, Israel havia se multiplicado em aproximadamente seiscentos mil homens prontos para a guerra, sem contar idosos, mulheres e crianças. Portanto, reduzidos à escravidão, esse crescimento deixou os governantes egípcios tresloucados, e tementes de uma iminente rebelião de escravos, a qual pudesse sair vencedora, contra o exército de Faraó.

Portanto, das setenta almas da família de Jacó, que chegaram ao Egito, geraram todos esses milhares de israelitas, não há uma estimativa quantitativa, mas, dos homens aptos para a guerra, somados “às crianças, às mulheres e aos idosos”, totalizavam aproximadamente dois milhões e meio de pessoas, à época, o que fecharia a população total de Israel.

Não é difícil entender o motivo da matança das crianças, pois, visava conter o aumento numérico da nação israelita. Esse era o fato declarado pela visão governamental egípcia, mas sabemos que pela visão espiritual, a coisa é bem diferente, além de ser uma estratégica covarde, também era maligna, como, ainda, à época, quando Jesus nasceu, uma matança de crianças foi ordenada por Herodes, de igual modo como haverá no governo do anticristo.

Não se engane, porque sabemos que o poderio por detrás do Anticristo é o de Satanás, que tenta impulsionar o sistema através dele. Porquanto, o bravio volume dessa ira, não é sem causa aparente, senão objetivos espirituais, que camuflam sua origem naquele que veio roubar, matar e destruir, ele mesmo, o diabo (João 8.44) “Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira”, o arque milenar inimigo de Deus.

Por acaso, já se ouviu comentários sobre matança de crianças massiva em Israel, anterior aos dias de Moisés? Claro que não! Pois, certamente, o diabo soube que, um libertador seria levantado, para Israel, ora, ele sondava e descobriu que aquele povo se deslocaria para a Terra da Promessa (Canaã), enfim, após quatrocentos anos, a Palavra profética, como promessa de Deus seria cumprida.

De fato, nada mais há que o diabo não possa odiar, senão, impedir que a promessa de Deus seja cumprida, até ele chegar a acusá-lo de infiel, perante o Todo Poderoso. Fique, pois, atento à sua fúria que se manifesta em seus atos, “ele nunca se firmou na verdade, ele é o pai da mentira”.

Você pode imaginar quantos junto ao ministério não têm experimentado de perto a oposição furiosa de satanás? Quanto mais ainda àquelas obras que foram levantadas por meio da revelação da Palavra de Deus! Ele de tudo fará para impedir o seu prosseguimento, caso já não tenha conseguido impedir o seu início.

Impresso
R$ 35,69

Ebook (epub)
R$ 15,07

Tema: Bíblias, Bíblia, Teologia, Religião, Não Ficção Palavras-chave: de, deserto, legislador, lei, moisés, mosaica, origem, pragas, profeta, tabernáculo, êxodo

Características

Número de páginas: 116
Edição: 21(2019)
Formato: A5 148x210
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.