Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES PARA MENTES DISRUPTIVAS

Por: CLEBERSON EDUARDO DA COSTA

Na filosofia socrática não havia, como finalidade castradora de subjetividades transcendentes, a reprodução de pensamentos já pensados. Não havia a reexplicação ou redundância, de maneira prolixa, e/ou sofisticamente hermética, daquilo que já estava explicado, pelos autores, em suas filosofias ou obras. A própria essência dialética do método socrático (ironia e maiêutica) não permitia isso. Para Sócrates estava claro que a filosofia, e não somente a sua, era ou deveria ser uma busca constante pelo saber.

Aristóteles, por exemplo, havia sido discípulo de Platão; e Platão também havia sido discípulo de Sócrates. Todavia, Aristóteles, divergente de seu mestre (Platão = idealismo), e também da filosofia de Sócrates em muitos aspectos, passou a comungar da ideia de que “do espanto diante da realidade” (empirismo) é que faz-se nascer a necessidade de buscar o saber (faz-se nascer o filósofo), e não do mundo das ideias. Logo, Aristóteles deu saltos qualitativos em relação à filosofia de Platão, mesmo ou exatamente por ter sido discípulo deste. E isso se deve ao fato de que Platão, enquanto discípulo de Sócrates, havia aprendido também com o seu mestre estratégias para poder fazer com que os diferentes homens que cruzassem o seu caminho, buscando interlocução, criassem pausas à reflexão, descessem dos seus pedestais de ditos sabedores ou de donos da verdade, e buscassem pensar, por si próprios, de formas disruptivas (ainda que além ou diferente dos seus mestres).

O fato é que Sócrates, com o seu método, criava condições para fazer despertar o filósofo em qualquer ser que ousasse dialogar de maneira profunda com ele. Com a sua filosofia, ele nunca se predispôs e/ou quis fazer a cabeça de ninguém.

A ética socrática era provocativa, dialógico-dialética. Sócrates, embora talvez muitos desconheçam, nunca quis que os seus interlocutores pensassem como ele pensava. Queria que eles fossem capazes de questionar aquilo que eles próprios julgavam saber e/ou que tinham como status quo de dita verdade. Por esse motivo, exatamente por esse motivo, Platão, apesar de discípulo de Sócrates, não reproduziu o pensamento filosófico de Sócrates; e Aristóteles, também apesar de discípulo de Platão, não reproduziu o pensamento filosófico de Platão. Em outras palavras, Sócrates, com a sua filosofia, estava preocupado em “formar” seres que, depois de ironicamente confrontados por ele diante do que julgavam saber (suas doxas), pudessem também realizar um processo introspectivo de reflexão e desenvolverem a capacidade de rearticularem seus próprios raciocínios e/ou argumentos, de pensar diferente. Esse processo irônico-maiêutico, é claro, sabia Sócrates, poderia começar na praça pública, num ginásio (ou em quaisquer outros lugares), mas, com raríssimas exceções, quase sempre também nunca terminaria neles. Sócrates, por exemplo, sabia que:

1. Muitos daqueles que se predispunham a confrontá-lo, por terem certeza de que eram donos da verdade ou sábios, nunca despertariam para o estado “de” ou do filosofar;

2. Alguns, não tendo a capacidade de voltarem a se reorganizar mentalmente, enlouqueceriam, ainda que momentaneamente;

3. Outros, por se sentirem humilhados ao não conseguirem manter um diálogo profícuo com ele, o odiariam, tornar-se-iam seus inimigos (gratuitamente) e fugiriam dos debates (incluem-se aí os chamados diálogos aporéticos);

4. E alguns, depois de saírem “sem nada ou quase nada entenderem” ao dialogarem com Sócrates, demorariam também anos, ou mesmo uma vida, para compreenderem o que é ou era o filosofar. Ou seja, para descobrirem que filósofo não é aquele que pensa ou que acredita que sabe: A- e sim aquele que avalia, interroga-se e interroga; B- e sim aquele que está em busca da sabedoria, por amá-la ou por nutrir amizade a ela.

5. Poucos seriam aqueles – e disso sabia Sócrates – que, em curto ou longo prazo, desenvolveriam a autonomia e/ou a emancipação intelectual crítica, argumentativa, dialógico-dialética. Para esses ou por esses, pensava Sócrates, valia a pena a prática filosófica transgressora, especialmente numa Atenas marcada por xenofobia e princípios conservadores ou antidemocráticos substanciados sob a égide da autoctonia.

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 48,95

Tema: Educação, Filosofia, Psicologia, Epistemologia, Estética, Ocidental Palavras-chave: educação, filosofia, inovação

Características

Número de páginas: 105
Edição: 1(2020)
Formato: A5 148x210
ISBN: 978-17-164-3907-0
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Offset 90g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.