Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

Verbotomia

Esta página foi vista 15 vezes desde 13/01/2021

Por: Cristiano Balla

São páginas onde concentrei as minhas experiências e estudos.

A ilustração da capa deste livro foi feita pelo talentoso Mário Fernando Zanchin e é intitulada “Lua, o Sol dos dementes”, remetendo a um poema do parnasiano Raimundo Correia. Este e Augusto dos Anjos sãoa inspiração para esta obra em poesia que faz parte de uma “trilogia da loucura”, junto com o livro de contos “Psicotomia” e o “Altos e Baixos da Afetividade”.

O cerne deste livro são os trinta sonetos organizados na parte “Facetas da Alma”, onde disseco e suturo essas palavras sob vozes inspiradoras e magistrais; recorto o verbo e o moldo no ritmo e forma do pensamento lúcido, pois deve haver muita consciência e lucidez para se falar da loucura, tema no qual julgo ter boa autoridade pelo que já vivi, cuja temática é difícil de ser exposta sem que haja críticas e sardonismo, mas há que se falar deste lado cinzento da alma humana, dentro da qual aprofundei-me em mergulhos de olhos bem abertos, causando talvez o mesmo espanto que temos pela primeira vez que lemos o mestre do esdrúxulo Augusto dos Anjos, mas fora-me necessário escrevê-los. Sei do seu valor e só o tempo o irá confirmar, pois enquanto a ciência tarda, a Literatura avança anos-luz.

Já o longo poema “Homem Cinzento” também traz muito do vocabulário cientificista e grey, nos moldes modernos, embora melodioso e simbolista. Uma melodia das cinzas deste mundo sobre um personagem que viveu como quem morre e morreu como quem vive num mundo de terror e cinzas, levando-o a um julgamento insólito.

“Greya” é um poema de vinte e cinco estrofes na oitava rima. A fôrma que Camões usou na sua epopeia foi aqui revisitada para descrever uma sucinta história dos males que afligem a humanidade; doenças que vêm desde o começo dos tempos até hoje e a luta do Homem para livrar-se delas, embora não haja vacina (ou remédio) para uma causa pior: o pecado. Sua linguagem abusa do jargão científico e é nauseante como o tema.

“Vade Mecum” foi o último poema a ser escrito para esta obra, em versos alexandrinos, com a intenção de poetizar a arte médica que trata dos doentes psiquiátricos atualmente, por isso conta com o jargão próprio da área da saúde sob a minha ótica como paciente, profissional e estudioso da questão.

Os demais poemas aleatórios constam de uma “Miscelânea” e abusam muito de palavras proparoxítonas e cada poema tem um tema variado, daí sua reunião nesta parte. É um livro para quem aprecia Literatura e o conhecimento geral, não apenas para se passar o tempo, sua temática não permite esse luxo. No mais, julgo este livro uma obra importante no seu tempo, e só o tempo poderá confirmar.

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 57,34

Ebook (PDF)
R$ 11,84

Tema: Poesia, Psicologia, Saúde Mental Palavras-chave: brasileira, cientificismo, poesia, psicologia

Características

Número de páginas: 119
Edição: 1(2021)
Formato: A5 148x210
ISBN: 978-85-910-5120-5
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.