Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

Revista Olhares Docentes - v. 4, n. 8

Esta página foi vista 114 vezes desde 18/01/2021

Por: FAEC

Editorial

Março de dois mil e vinte! Data que se constituiu como marco divisor da história da educação contemporânea, em razão de um fenômeno inusitado: fecharam-se as escolas em razão do flagelo da pandemia provocada pelo invisível inimigo: um vírus avassalador que atravessou continentes e desembarcou em terras brasileiras. De repente, o mundo parou! Pessoas correram para seus lares, se viram obrigadas, por força da medida sanitária, a fazer o chamado isolamento social, com normas de distanciamento impostas, para se evitar a contaminação e proliferação da infecção.

Dias passaram-se, semanas e a pergunta que ecoou de norte a sul do país: as escolas precisaram ser fechadas. E agora? Para onde irão as crianças e jovens, que todos os dias, ocupam pátios, salas de aulas, laboratórios, bibliotecas? Fato é que, de uma hora para outra, pais, responsáveis se depararam com uma realidade incontornável: escola, de portas cerradas. O que fazer? Como ensinar as lições, conteúdos aos jovens? E os pequenos, como os pais poderão trabalhar (no caso, daqueles que atuam nos serviços essenciais)?

No certe de tantas interrogantes, flui algo inusitado: a invisibilidade do ofício dos educadores começa a dar lugar a angústia das pessoas. Diante do inusitado, de tantos medos e incertezas por conta de uma doença, que pouco se sabe, até então, emerge outra questão gigantesca: o que fazer, sem as escolas? Tradicionalmente, Escola se constituiu, no imaginário popular como lugar seguro, onde se pode deixar as crianças, jovens para que, ali, os professores pudessem ensinar-lhes saberes, conteúdos essenciais à vida. Na escola, se depositavam esperanças de dias melhores, onde os discentes iriam construir com o esforço dos educadores, as trilhas de um futuro melhor.

E agora José? Professores, merendeiras, funcionários, diretores e alunos agora, estão do outro lado dos portões: excluídos do convívio e de todo potencial que se tinha construído como cenários educativos, resguardados pelos muros das escolas. Debates se avolumaram entre pais, educadores, gestores e algumas propostas vão surgindo com o passar dos dias: seria possível o ensino remoto? Algumas instituições, saíram á frente e aderiram ao ensino por intermediação tecnológica. Outros iniciaram-se, mesmo que de forma incipiente nos meandros da Ead.

O presente número da Revista Olhares Docentes propõe a abertura do diálogo sobre a Educação em tempos de pandemia. Obviamente, como de costume, não se pretende dar a palavra final sobre o tema, mas, antes, contribuir com a discussão, permitindo que a voz dos professores do Semiárido baiano seja ouvida em todo o país.

Boa leitura”

Equipe coordenadora

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 44,60

Tema: Educação, Não Ficção Palavras-chave: artigos, ensaios, resenhas

Características

Número de páginas: 156
Edição: 1(2021)
Formato: A4 210x297
ISBN: 9788567741048
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura s/ orelha
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

Selo_norton

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.