Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

O Paradigma Estético

Ensaios de Historiografia, Teoria e Pós-modernismo

Por: Jorge Barcellos

A publicação de "Para Sair do Século XX", de Edgar Morin (1986), "O Pós-Moderno", de Jean-François Lyotard" (1986) e "A Instituição Imaginária da Sociedade", de Cornelius Castoriadis, (1982) provocaram um amplo debate no interior das Ciências Sociais. A ideia da crise do saber já acompanhava a reflexão de historiadores, sociólogos e antropólogos brasileiros e latino-americanos, mas por muito tempo a emergência do debate sobre o advento da Pós-modernidade foi visto como um momento de enfraquecimento da crítica de esquerda. Essa posição se revelou, décadas depois, uma das principais fragilidades dos intelectuais engajados na luta contra o avanço do conservadorismo, do autoritarismo, do racismo, da intolerância e do neofascismo das primeiras duas décadas dos anos 2000. Essa recusa dos novos horizontes utópicos, dos novos paradigmas em Ciências Sociais foi responsável pela impotência política e teórica para antecipar o movimento que levou Jair Bolsonaro ao poder.

Na obra “O Paradigma Estético”, Barcellos resgata sua visão particular da emergência do debate sobre a natureza da Pós-modernidade no Brasil. Reunindo estudos realizados no calor dos debates entre 1989 e 1993, o autor encontrou o fio da meada: frente às dúvidas e angústias para o avanço da pesquisa em Ciências Sociais, o que estava em jogo era a emergência de um novo paradigma, o Paradigma Estético, voltado para direcionar o olhar dos pesquisadores para a experiência coletiva, a subjetividade e a vida cotidiana. Mais tarde, no Brasil de Bolsonaro, quando os mesmos pesquisadores descobriram que o debate sobre a construção da subjetividade coletiva era uma questão central de poder, ficaram atônitos. Como foram incapazes de prever o movimento que levou Jair Bolsonaro ao poder? Essa incapacidade de diagnosticar o real, de antecipar a catástrofe, só pode ser explicada por uma falha de formação, a ausência da apropriação de um debate que foi um dos mais importantes daquela geração. Reunindo estudos do final dos anos 80, época em que se formou a geração do autor, "O Paradigma Estético" apresenta o modo como a teoria social oferecia oxigênio para a esquerda e porque ela foi incapaz de ampliar a base de suas crenças para se revigorar. As dicas estavam no ar. Os autores novos, chegando com suas ideias inovadoras e polêmicas. Hoje, para enfrentar o êxtase neoliberal, a esquerda precisa correr atrás do prejuízo.

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 47,27

Tema: Metodologia, Filosofia / Religião, Epistemologia, Não Ficção, Filosofia, Ciências Humanas E Sociais Palavras-chave: ciências, estética, paradigma, sociais

Características

Número de páginas: 276
Edição: 1(2021)
Formato: A5 148x210
ISBN: 978-65-001-8603-1
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Polen

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

Fale com o autor

*Seu nome

*Seu email

*Mensagem


SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.