Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

NÃO AFOBE POLÍTICA. AGUARDE CARTA

Esta página foi vista 78 vezes desde 07/11/2023

Por: OZILDO BATISTA DE BARROS

NÃO AFOBE POLÍTICA. AGUARDE CARTA é uma geração literária contínua, um jornal íntimo ou jornal literário tentado pelo autor várias vezes, à moda Hardi Filho (O DEDO DO HOMEM), que, por sua vez, espelhara-se no Jornal de Ascendino Leite (Os Dias Duvidosos, 1962, 1966; Passado Indefinido ou Durações, 1963, 1966, 1983; O Lucro de Deus, 1963, 1966; A Velha Chama, 1974; As Coisa Feitas, 1968, 1980; Visões de Cabo Branco, 1969, 1981; O Vigia da Tarde, 1970, 1982; Um Ano no Outono, 1972, 1983; Os Dias Esquecidos, 1974; O Jogo das Ilusões, 1980, 1985; Os Dias Memoráveis, 1982, 1987; Sol a Sol Nordestino, 1987; Sementes no Espaço, vol. I e II, 1938 – 1988; O Velho do Leblon ou Novo Retrato do Artista Quando Velho, 1988; Momentos Intemporais, 1997; Os Pecados Finais, 1997; Aforismos para o Povo Instruído, 1998; Visão da Prata, 2001; Vulgata, 2001; Caracóis na Praia, 2001; O Princípio das Penas, 2003; As Pessoas, 2004;). Ascendino Leite é o grande mestre nessa maneira de praticar a Literatura e o Jornalismo, ao mesmo tempo. Vários outros escritores, a quase totalidade, também se utilizaram desse meio de comunicação íntima. Muitos desses escritos certamente se perderam; outros, transformaram-se, tomando outras formas literárias, poemas, contos, romances, peças teatrais. Esta é uma forma de dizer que o escritor não está só, nem jamais estará impedido de exercer a liberdade e o poder.

Jorge Amado, exemplo mais eloquente dessa afirmação, depois de encerrar a sua gloriosa carreira literária, publicou o Jornal Literário encartado no livro Navegação de Cabotagem, com o subtítulo: APONTAMENTOS PARA UM LIVRO DE MEMÓRIAS QUE JAMAIS ESCREVEREI. No entanto, o título é uma excelente metáfora das memórias de um escritor. Cabotagem é a navegação que se faz na costa entre portos de um mesmo país, numa viagem ininterrupta retornando aos mesmos portos, dentro das águas costeiras. É ver a nossa vida interior, pois o homem interior, indo onde quer que seja o lugar, não ultrapassará jamais os limites do próprio ser. Haverá avanços e retrocessos; idas e vindas, mas jamais uma fuga de si próprio ou o libertar-se definitivo da memória e das sombras.

João Porfírio de Lima Cordão arranjou uma maneira de dizer essa metáfora do Jornal Literário aplicada ao seu autor, no caso o poeta Hardi Filho no livro O DEDO DO HOMEM, por ele prefaciado: “lembra uma pessoa que excursiona durante um ano, sem parar em nenhuma das cidades visitadas, contudo, com tempo suficiente para em todas adquirir, desde pequenas bijuterias a verdadeiras joias, raras e preciosas, e tudo aquilo que ia comprando ia depositando em sua mala de viagem e ao chegar em casa começou a distribuir os presentes com os familiares e amigos”. É outro aspecto da mesma metáfora, mas, em qualquer hipótese, essa viagem de fato é uma excelente definição de Jornal Literário ou Jornal Íntimo.

O Jornal Literário é irmão de muitos outros gêneros, como as memórias, as confissões, a autobiografia, o diário íntimo... Gêneros cuja distinção torna-se quase imperceptível, principalmente para quem se dispõe a produzi-lo. Das memórias, possui o passado com suas cadeias de lembranças, conquanto dispersas, assistemáticas, fragmentárias, caóticas mesmas e, sobretudo, desobedientes ao rigor cronometrado do tempo, ao fragor do cronômetro das emoções; das confissões, reserva o instante e o lugar como referenciais do abismo em que o escritor se mira, buscando a si ou a outrem, que pode ser Deus (lembre-se de um Santo Agostinho); da autobiografia, tem a presença do personagem tricotando as experiências do passado e do presente, o calor da veracidade e a proximidade dos fatos, as sensações e reações face às infinitas surpresas do real; do diário íntimo, guarda a autoanálise e a forma despojada como o escritor observa os outros, do céu ao inferno, num julgamento severo, movido pela força da sinceridade, despido das máscaras sociais. A preexistência desses gêneros, como ensina Massaud Moisés, citando Gustavo Cohen, não obriga a qualquer sujeição a gênero ou a tradição já codificada que o artista tem atrás de si, da qual pode e deve partir, modificar ou confirma-la, sem pensar criar novos gêneros, uma vez que o “o gênio não perde o seu tempo criando gêneros, mas se esforça sobretudo em exprimir sua personalidade no quadro dos gêneros que existem e que lhe são dados de antemão”.

Esses presentes ou lembrancinhas, a que nos remete J. P. de Lima Cordão na descrição da metáfora acima, nem sempre são cortesias destinadas a amigos, como nessa breve nota de Ascendino Leite, em Um Ano no Outono: “Leio nos jornais: um novo livro de Antônio Callado, Título? Esqueci-o agora. Mas, desse, poderei assegurar que não passarei pela infelicidade de ter de tê-lo. Não o leria nunca. Poderia morrer antes de acabá-lo.”

Hidelberto Barbosa Filho, em A Paixão de Viver e Sentir, baseando-se em Escritos sobre estética e semiótica da arte, de Jan Mukaróvski, aponta para duas categorias da cultura humana a que se eleva o Jornal Literário de Ascendino Leite, que se aplica, evidentemente, aos demais autores desse gênero literário: “De um lado, a solidez de um documento vivo: da intimidade da leitura da vida literária, dos sabores e dissabores da alma, das reflexões filosóficas e de outras grandezas e miudezas que forjam a complexidade da existência.” E, quanto ao outro aspecto, põe em destaque a surpreendente materialização da virtualidade estética, colocando-nos (a ele, autor e a nós, leitores) na situação de estranhos perante o universo. “De estranho que, segundo o esteta tcheco, Jan Mukaróvski, desvela as ‘regiões’ inexploradas com ‘interesse nunca esgotado e vigilante’, revitalizando cada vez mais a consciência de si próprio e projetando-se na realidade que o cerca, medindo-a, interpretando-a e valorizando-a de maneira livre e original."

O livro NÃO AFOBE POLÍTICA. AGUARDE CARTA, assim como os demais desta série, apresenta-se, pois, com todos os defeitos, limitações e virtualidades estéticas de um Jornal Literário.

Impresso
R$ 47,02

Ebook (epub)
R$ 21,36

Tema: Mensagens, Literatura Nacional, Entretenimento Palavras-chave: diário., jornal, literatura., literário.

Características

Número de páginas: 142
Edição: 1(2023)
Formato: A5 148x210
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Polen

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.