Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

Geografias da Pesca Artesanal Brasileira

Esta página foi vista 42 vezes desde 12/01/2024

Por: Cristiano Quaresma de Paula

No Brasil, o choque entre a racionalidade econômica e a racionalidade ambiental torna-se evidente na pesca artesanal, dando origem a inúmeros problemas. Essas racionalidades disputam territórios, recursos, assim como o domínio do conhecimento e de projetos futuros. Os pescadores artesanais veem seus territórios tradicionais e os recursos ambientais sendo destruídos pelo avanço da modernização, ao mesmo tempo em que são considerados, na lógica dominante (moderna), como incultos e entraves para o desenvolvimento. Nesse processo, destacam-se conflitos entre os agentes do capital e os pescadores artesanais, que reivindicam o direito ao território tradicional, assim como o reconhecimento de seus conhecimentos adquiridos ao longo de gerações, através da relação com o ambiente e das relações sociais que conformam o território.

Ao mesmo tempo em que as comunidades tradicionais se veem atacadas em seu direito de permanecer e gerir o território, vivemos uma crise ambiental global sem precedentes, resultante do padrão de produção e consumo inerentes ao modo de produção capitalista e do desconhecimento das consequências do conhecimento científico moderno. Assim, valorizar o conhecimento tradicional, reconhecer os povos tradicionais como especialistas na gestão ambiental e garantir a eles o direito de uso do território tradicional são ações necessárias nos âmbitos político, científico e social. Isso trará benefícios para toda a sociedade, seja pela qualidade ambiental resultante da gestão comunitária e compartilhada do território, seja pelo fornecimento de alimentos, proporcionando principalmente às populações mais pobres segurança alimentar.

É relevante entender a pesca artesanal brasileira por meio da Geografia, pois inúmeros geógrafos abordam em artigos, livros, monografias, dissertações e teses as problemáticas da pesca artesanal. Assim, essa obra contribui para a sumarização e análise desses estudos, sobretudo de dissertações e teses, o que favorece o estabelecimento de diálogos entre pesquisas e a discussão da pesca artesanal em escala nacional. Isso auxilia na proposição de respostas aos problemas dos pescadores artesanais e destaca tendências na produção acadêmica da Geografia brasileira, principalmente no que diz respeito ao diálogo de conhecimentos entre pescadores e geógrafos.

Também é importante entender essas pesquisas no momento atual da Geografia brasileira, tanto em relação ao estágio do pensamento geográfico quanto ao processo de institucionalização da Geografia por meio da expansão e consolidação da pós-graduação. Isso tem tornado visíveis sujeitos sociais até então marginalizados e permitido a realização de pesquisas em diversas regiões e localidades. Destaca-se a existência de grupos de pesquisa que abordam os pescadores artesanais em seus estudos, o que também possibilita entender a pesquisa brasileira sobre a pesca artesanal. Diante da necessidade de articulação, é importante frisar a iniciativa de construção de um trabalho em rede, como é o caso da Rede de Geografias da Pesca.

Os diálogos de saberes permitem a (re)significação dos conceitos geográficos de ambiente e território, de maneira que sejam operacionais e apropriados pelos sujeitos da pesquisa, proporcionando uma leitura mais precisa da realidade estudada. O reconhecimento dos saberes tradicionais dos pescadores, em sua dimensão territorial, permite preencher a lacuna no conteúdo da "tradição" do conhecimento e contribui para os debates na construção e avaliação de políticas públicas para a pesca artesanal brasileira, de forma a serem congruentes com as particularidades dos diversos territórios tradicionais das comunidades de pescadores artesanais. Nesse caso, destaca-se o processo de discussão sobre territórios tradicionais desencadeado pela "Campanha Nacional pela Regularização do Território das Comunidades Tradicionais Pesqueiras", promovida pelo Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais - MPP.

O livro apresenta as reflexões da tese de doutorado intitulada "Geografia(s) da Pesca Artesanal Brasileira", defendida em 2018 no Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFRGS. No entanto, os dados que fundamentam a análise foram atualizados até 2021. É importante ressaltar que essa publicação não abrange todo o contexto vivido pelas comunidades tradicionais de pescadores artesanais no Brasil. No entanto, sua contribuição está voltada para responder à questão norteadora:

Qual é a compreensão da Geografia brasileira sobre a dinâmica dos territórios tradicionais dos pescadores artesanais? Em que medida seus conceitos, métodos e abordagens dialogam com o conhecimento tradicional dos pescadores artesanais em situações em que as comunidades são desterritorializadas? Até que ponto a compreensão desse processo pode contribuir para repensar a Geografia brasileira, a gestão comunitária da pesca artesanal e os contextos de luta por políticas públicas voltadas para o território das comunidades de pescadores? As respostas a essas questões estão apresentadas nas três partes deste livro.

A primeira parte, intitulada "A Dialógica entre Geografia e Pesca Artesanal Brasileira", tem como objetivo responder à pergunta "Qual é a compreensão da Geografia brasileira sobre a dinâmica dos territórios tradicionais dos pescadores artesanais?" Foi entendido que a resposta está presente na análise da produção acadêmica da Geografia brasileira sobre a pesca artesanal. Assim, foram analisadas dissertações de mestrado e teses de doutorado desenvolvidas por geógrafos que pesquisam a pesca artesanal no Brasil e defendidas no período de 1982 a 2021. Buscou-se entender as principais problemáticas, teorias, métodos e técnicas de pesquisa. Além disso, a espacialização desses trabalhos por meio de representação cartográfica permitiu refletir sobre a pesca e sobre a própria Geografia brasileira. Essa análise panorâmica possibilitou a identificação de possibilidades de interpretação da Geografia em relação às problemáticas da pesca artesanal. Além disso, contribuiu para inferir a potencialidade de articulação em um trabalho em rede.

A segunda parte, intitulada "Território, Ambiente e Pesca Artesanal: uma Leitura a Partir da Geografia Brasileira", buscou responder à pergunta: Em que medida seus conceitos, métodos e abordagens dialogam com o conhecimento tradicional dos pescadores artesanais em situações em que as comunidades são desterritorializadas? A partir da visão panorâmica dos estudos sobre a pesca artesanal na Geografia brasileira apresentada na primeira parte, foi identificado um recorte analítico que enfatiza a relação entre ambiente e território. Dessa forma, são analisadas as atividades econômicas que confrontam a pesca artesanal sob essa perspectiva. Esses contextos foram selecionados para que essa compreensão abranja a diversidade de territórios pesqueiros presentes no Brasil e as problemáticas associadas a eles. Assim, surge o desafio de garantir que as compreensões geradas correspondam às demandas dos pescadores artesanais, levando em consideração suas estratégias de luta. Além disso, buscou-se revisar conceitos como pesca, pescador, comunidade, conhecimento, gestão comunitária e compartilhada, assim como territórios e territorialidades da pesca.

Na terceira parte, intitulada "As Faces da Modernização e Ausências de Sujeitos e Territórios da Pesca Artesanal na Geografia Brasileira", buscou-se entender "Até que ponto a compreensão desse processo pode contribuir para repensar a Geografia brasileira, a gestão comunitária da pesca artesanal e os contextos de luta por políticas públicas voltadas para o território das comunidades de pescadores?". Propõe-se que, a partir das compreensões estabelecidas na segunda parte, seja possível discutir os territórios tradicionais das comunidades de pescadores artesanais em relação ao movimento social. Para essa discussão, estabelece-se a relação entre os contextos em que os geógrafos desenvolvem pesquisas e ações junto aos pescadores, e as problemáticas apresentadas por meio de denúncias pelo Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais - MPP, e principalmente pelos Relatórios de Conflitos Socioambientais e Violações de Direitos Humanos do Conselho Pastoral da Pesca - CPP, publicados em 2016 e 2021. Nesse sentido, estabelece-se uma relação entre as propostas analíticas de compreensão de ambiente/território e a expressão da modernização, que é apontada pelos movimentos sociais que defendem o território tradicional como o principal opositor. Por fim, retoma-se a discussão sobre a própria Geografia como uma ciência que dialoga com os grupos sociais, superando as invisibilidades e evidenciando situações de conflito, o que pode auxiliar na garantia dos direitos fundamentais e no reconhecimento da comunidade pesqueira como tradicional, conferindo-lhes o direito de permanecer no território.

Na expectativa de que o livro promova debates, desejo uma boa leitura,

Cristiano Quaresma de Paula

Selos de reconhecimento

Impresso
R$ 54,88

Tema: Ciência Ambiental, América Latina, Geografia E Historia, Educação, Ciência Palavras-chave: ambiente, artesanal, geografia, pesca, território

Características

Número de páginas: 320
Edição: 1(2023)
Formato: A5 148x210
ISBN: 9786589013112
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Couche 90g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.



Personalizar acabamento
Para comprar cópias com opções de acabamento diferentes entre si, é necessário adicionar uma versão de cada vez ao carrinho.

Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.