Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade.
ACEITO

Agbook

Refutação Científica ao Comunismo

Esta página foi vista 36 vezes desde 10/04/2024

Por: J.C. Fairbanks

REFUTAÇÃO CIENTÍFICA AO COMUNISMO

O Comunismo, justamente, porque doutrina totalitária, não pode ser encarado por uma infinidade de facetas de fenômenos:

I) a religiosa, dado seu caráter de ateísmo necessário;

II) a filosófica, baseada no materialismo;

III) a moral, no sentido de os fins sempre justificarem os meios;

IV) a social, imprimindo novas formas de inter-convivência;

V) a política, tornando a direção dos negócios públicos adstrita ao “partido-único” (em si já uma contradição);

VI) a estética.

É natural que, ao teólogo, compita refutar a antítese religiosa; ao filósofo-espiritualista, ao moralista, e, ao sociólogo, a segunda, terceira e quarta faces respectivamente; ao expoente político, a quinta; ao artista, a sexta, e assim, por diante.

Não me presumindo classificável em qualquer das categorias acima citadas e, por outro lado, egresso daquelas provas de concurso universitário, não me competiria outro setor de combate senão o científico, especialmente considerando-se que foi na rocha da Economia, que o magno Doutrinador do comunismo — Karl Marx — procurou estruturar o, por ele mesmo cunhado, “socialismo científico”. Esse é o setor, portanto, em que, logicamente, o autor menos incompetentemente, estaria designado a combater.

A este trabalho, seguir-se-ão outros, da mesma série, como:

1) Tentativa de Síntese em Ciência Social — Relatividade e Finalidade;

2) Crítica ao “das Kapital” e a seu Principal Crítico — Pareto;

3) Providencialismo versus a Chamada Dialética, etc., etc.

Isso, se me der Deus vida, saúde e vagar, e até que o diabo, com assento embora em congregações universitárias oficiais; devidamente revestido de borla e cabelo, venha a cansar-se de perseguir-me... Vamos ver quem se fatigará primeiro. Se não for eu, esta série será a da APOSTA com SATANÁS...

João Carlos Fairbanks

São Paulo, 29 de junho de 1947.

DOUTRINA E PRÁTICAS COMUNISTAS

Para se ter exata noção do perigo comunista e das providências a tomar no sentido de conjura-lo, cumpre examinar o problema de maneira metódica, verificando:

1° ) – O que é o comunismo como doutrina e como técnica de ação;

2° ) – O que tem sido a linha política soviética, desde a implantação do regime comunista na Rússia.

E particularmente, em relação ao Brasil:

1° ) – Qual a importância da América do Sul (e particularmente do Brasil) no quadro dos objetivos internacionais de Moscou;

2° ) – A situação do comunismo em nosso país e as condições sociais em cujo ambiente ele atua.

De nada vale reconhecer a doutrina marxista ignorando a técnica revolucionária leninista, enriquecida pela experiência no exercício do governo soviético e nas atividades táticas do Comintern. Igualmente improfícua será a ação anticomunista se se conhecer o que há de realidade prática na organização, na propaganda e no funcionamento do comunismo, sem se ter noção da doutrina de Marx.

No primeiro caso, ficar-se-á no plano das discussões filosóficas, sociológicas e econômicas, nada percebendo das manobras de tão arguto adversário; e no segundo caso, não se poderá compreender o desenvolvimento futuro de fatos muitas vezes sem importância aparente.

Os que se satisfazem em combater exclusivamente a doutrina são os “sábios inúteis”, as mais das vezes transformados em “inocentes úteis”, deixando-se envolver, na prática, pelos ardis do inimigo. E os que se limitam a lutar contra esse inimigo usando do critério estritamente policial, arriscam-se a tomar pistas erradas, desnorteando-se num empirismo inconsequente, em razão do desconhecimento da teoria.

Tentamos neste ligeiro ensaio conciliar a teoria e a prática, a doutrina e a ação, compendiando os conhecimentos necessários a todo aquele que pretender batalhar contra a maior ameaça que pesa sobre o gênero humano.

Teoria e prática se desenvolvem aqui através de argumentos históricos. São os fatos que falam por si mesmo.

Este livro é complementado por outro: “Mensagem às pedras do deserto”, que circulou primeiro.

A leitura de ambos pode forjar bons combatentes em prol da liberdade e da dignidade humana, da honra e soberania das Nações.

Impresso
R$ 53,42

Ebook (PDF)
R$ 27,01

Tema: Política Social, Nacionalismo, História & Teoria, Corpo, Mente E Espírito, Ciências Exatas, Ciência Política Palavras-chave: católica, comunismo, conservadorismo, igreja, integralismo, nacinalismo, socialismo

Características

Número de páginas: 265
Edição: 1(2024)
Formato: A5 148x210
Coloração: Preto e branco
Acabamento: Brochura c/ orelha
Tipo de papel: Offset 75g

Livros com menos de 70 páginas são grampeados; livros com 70 ou mais páginas tem lombada quadrada; livros com 80 ou mais páginas tem texto na lombada.




Comentários (0 comentários)

Deixe seu comentário:

Nome

Email (não será publicado na página)

Comentário

SEGURANÇA

FORMAS DE PAGAMENTO

Boleto Bancário Itaú Transferência online Banco do Brasil Transferência online Bradesco Transferência online Itaú Cartão Visa Cartão MasterCard Cartão American Express Cartão Diners Cartão Hipercard
Todo o conteúdo dos livros é de exclusiva responsabilidade de seus autores, sem nenhum tipo de responsabilidade editorial da AgBook, responsável unicamente pela comercialização e entrega.